Bodarrada: a poesia libertária de Luiz Gama  –  A poesia de Luiz Gama se destaca por ir de contra o lirismo abordado na época em que viveu e principalmente pela forma ao qual o poeta de maneira satírica transplantava qualificativamente seu ideal a favor da cultura negra e da defesa desta identidade.

Por Brasil Escola

Em 1859, quando trabalhava na Secretária de Policia, publicou  pela tipografia Dois de Dezembro, de São Paulo, suas sátiras com o pseudônimo de Getulino. Seu livro, Primeira trovas burlescas, foi publicado em 1859, livro este que possui por assim dizer, um dos seus mais conhecidos poemas denominado “Quem sou eu?” popularmente  chamado de “Bodarrada”, nome este que vem da palavra “bode” que na gíria da época significava mulato, negro.  Nesta parte grandiosa do poema vemos uma critica consciente e não elitizada, nos versos:

“[…]Eu bem sei que sou qual grilo

De maçante e mau estilo;

E que os homens poderosos

Desta arenga receosos

Hão de chamar-me — tarelo,

Bode, negro, Mongibelo;

Porém eu que não me abalo,

continua depois da propaganda

Vou tangendo o meu badalo

Com repique impertinente,

Pondo a trote muita gente.

Se negro sou, ou sou bode

Pouco importa.  O que isto pode?

continua depois da propaganda

Bodes há de toda a casta,

Pois que a espécie é muito vasta.

Há cinzentos, há rajados,

Baios, pampas e malhados,

Bodes negros, bodes brancos,

continua depois da propaganda

E, sejamos todos francos,

Uns plebeus, e outros nobres,

Bodes ricos, bodes pobres,

Bodes sábios, importantes,

E também alguns tratantes

continua depois da propaganda

Aqui, nesta boa terra

Marram todos, tudo berra;

Nobres Condes e Duquesas,

Ricas Damas e Marquesas,

Deputados, senadores,

continua depois da propaganda

Gentis-homens, veadores;

Belas Damas emproadas,

De nobreza empatufadas;

Repimpados principotes,

Orgulhosos fidalgotes,

Frades, Bispos, Cardeais,

Fanfarrões imperiais,

Gentes pobres, nobres gentes

Em todos há meus parentes.

Entre a brava militança

Fulge e brilha alta bodança;

Guardas, Cabos, Furriéis,

Brigadeiros, Coronéis,

Destemidos Marechais,

Rutilantes Generais,

Capitães-de-mar-e-guerra,

— Tudo marra, tudo berra —

Na suprema eternidade,

Onde habita a Divindade,

Bodes há santificados,

Que por nós são adorados.

Entre o coro dos Anjinhos

Também há muitos bodinhos…[…]”

A poética de Luiz Gama transcorre por duas vias que o destacam como o verdadeiro poeta dos escravos, a primeira se refere pela aceitação de sua identidade étnica, demonstrando a importância e beleza de ser negro.

A segunda é a conscientização através dos versos contra o preconceito tanto dos que sofrem a ação e também dos que a praticam. Sua poesia não revela uma condição passiva, humilhada ou desgraçada, mas declara e informa de uma maneira equalizada, buscando não apenas deleites poéticos, mas atitudes que levassem ao leitor a ação diante do que lhe foi abordado.

Lutando inteligentemente contra um contexto histórico que marginalizava o negro e sua cultura, o poeta, jornalista e advogado Luiz Gama foi através dos seus versos e da sua luta um real representante da literatura negra no Brasil, exaltador de sua etnia, que ao contrário de muitos, que escondiam a origem negra, ele corajosamente a engrandecia com grande eloquência e personalidade.

O engajamento político e a estrutura semântica seja ela satírica ou lírica, dos versos de Luiz Gama, se mesclam produzindo uma poesia precursora daquilo que hoje se chama consciência negra, sua obra passa pelo processo de se viver na pele o que se escreve se baseando não apenas no que viu ou imaginou, mas naquilo que sentiu e viveu.  Outra característica marcante em sua obra é a de aceitar a visão preconceituosa do outro e torná-lo vítima do próprio preconceito, demonstrando que o âmbito em que ambos ocupam poeta e interlocutor, é semelhante.

Luiz Gonzaga Pinto nasceu na cidade de Salvador, estado da Bahia, em 21 de junho de 1830. Filho de negra Africana livre e de um fidalgo de origem portuguesa. Sua trajetória é marcada pela luta incansável pela libertação dos negros e por uma valorização efetiva a respeito da cultura negra no Brasil. Luis Gama morreu no dia 24 de agosto de 1882, em sua casa na Rua do Brás, a futura Rangel Pestana. O seu enterro foi considerado o mais solene e concorrido que São Paulo conheceu, no século XIX.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

GAMA, Luiz.(1830-1882) Primeiras trovas burlescas. Edição preparada por Getulino.3.

Ed. São Paulo :Typ; Bentley Júnior, 1904.

Publicado por: RUBENS SANTOS DO NASCIMENTO

Fonte: Brasil Escola/ com edições Xapuri


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!

COMPRE AQUI

continua depois da propaganda