Sancho

O poeta batista filho, faz uma releitura da história quixotesca. em versos que se interligam, que se completam e se esticam para dar lugar ao que sabemos, ao que não sabemos e, ainda, ao que é possível criar, inventar, imaginariar. E, poeticamente,  interpreta o seu SANCHO e até sobrenome deu a ele: tem pouco tempo/ que soube teu sobrenome: Povo

SANCHO

por um instante
deixo Quixote
a sabedoria dos loucos
o idealismo de poucos
e olho Sancho:

fiel escudeiro
montado num burrico
que sequer tem nome.

… e no entanto
é ele que ergue o cavaleiro errante
quantas vezes caia.

Sancho também sonha.
decerto sonha.
e tem medo.
por isso
corta as asas dos próprios sonhos.

segue. não para.
vai a passo.
com seu burrico
sem nome.

Sancho, Sancho!
tem pouco tempo que soube
teu sobrenome:
Povo.

Sancho, Sancho!
um dia deixará de seguir caminhos por outros traçados.
traçará teu próprio rumo.
deixará crescer as asas dos sonhos.

continua depois da propaganda

um dia… por enquanto não.
ainda tem medo.
por isso segue.
a passo.
no teu burrico
… sem nome.

(Sítio Encantado, Alexânia-GO, mar/2018)

João Batista de Oliveira Filho, nascido em 1958, quinto filho da prole de sete de Seu Bá e Dadinha, é natural de Parnaíba-PI. Em 1977 mudou para Brasília. Há seis anos reside no sítio Encantado, no município de Alexânia-GO.
O poeta “batista filho” convive com cães e gatos, cria galinhas e patos enquanto apascenta sonhos em forma de poesia. O poeta é colaborador da ALANEG/RIDE.

 

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

 

continua depois da propaganda