fbpx

O inominável pede para não ser derrubado

Por Alex Solnik no Brasil 247

Claramente na defensiva, falando num tom quase humilde, menos arrogante e menos prepotente do que nunca, Bolsonaro praticamente pediu para não ser derrubado na cerimônia de agora há pouco  (segunda-feria, 22 de março, à noite) em Brasília, no que foi interpretado como resposta ao ultimatum de 500 empresários, economistas e ex-ministros da Economia divulgado hoje.

“Devemos lutar contra o vírus e não contra o presidente”, pediu.

Não abandonou, no entanto, suas velhas e erradas posições.

Afirmou, novamente, que os governadores estão decretando estado de sítio, depois de todos os políticos e especialistas contestarem essa constatação estapafúrdia. Lockdown é emergência sanitária, não prenúncio de ditadura.

“Parece que só no Brasil tem pandemia” reclamou.

Saiu-se com uma nova tese delirante para criticar o lockdown :

“A maioria da população contrai o vírus em casa”.

Tentou vender ilusões:

“Seremos exportadores de vacina”.

Ele que no ano passado chamou a peste de gripezinha, fez um prognóstico trágico:

“Não sabemos se vai acabar um dia”.

Não atacou governadores, não chamou as Forças Armadas, não ameaçou ninguém.

Uma tchutchuca.

Título original da matéria no 247: Bolsonaro pede para não ser derrubado. Foto interna: Agência Brasil/Twitter-Reprodução


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

loja Xapuri camisetas


Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

Réquiem para o Cerrado

Anúncios