López Obrador do México: uma bomba de oxigênio para o povo brasileiro e latino-americano

Por Helena Iono

Era hora que surgisse um López Obrador, novo presidente do México, carregando nos seus discursos de posse uma bomba de oxigênio para reativar o ânimo do desesperançado povo brasileiro e das forças políticas progressistas e da esquerda latino-americana.

Este momento traz à memória o dirigente teórico J. Posadas, argentino, seguidor de Trotsky, que trazia à luz a vigência do processo desigual e combinado na América Latina e dava destaque à revolução interrompida dentro da revolução permanente no México. Eis que, enquanto um Bolsonaro no Brasil, com bravatas típicas de um nazi-neoliberalismo (fase terminal do imperialismo) trata de amedrontar o mundo, um Obrador mexicano faz renascer a chama do passado, desde Pancho Villa e Zapata, até Benito Juarez e Cárdenas, resgatando publicamente os próceres da história continental para  agendar um projeto de país, de 100 pontos, a fim de romper com 36 anos de destruição neoliberal e abrir uma nova era no México; apesar do diplomático “respeito” pelo presidente anterior, López Obrador veio decidido a mudar radicalmente o regime econômico e social do México e liberá-lo do jugo das transnacionais.

Do Brasil à Argentina, onde urge recuperar, com sabedoria e suor, a “década ganhada” dos governos progressistas anteriores, é preciso ter presente e acompanhar, desde já, a experiência de López Obrador junto ao povo mexicano.  O México estabelece agora uma pauta exemplar de medidas de governo essenciais para dar sustento econômico, social e político a um poder popular, apesar da previsível e enorme oposição do capital financeiro e das oligarquias; será um estímulo, uma oxigenação para a reorganização da esquerda no Brasil. O impulso do México, chegará pelos vasos comunicantes ao Brasil, encurtando os prazos do neofascismo liberal.

O terremoto, com epicentro na Cidade de México já começou. Três dos 100 abalos vibraram a praça do Zócalo com uma multidão de povos originários ovacionando Obrador ao dizer: “vamos recuperar o petróleo como fez o general Cárdenas!”, “acabar com a pensão dos ex-presidentes”, e “investigar até encontrar os responsáveis do desaparecimento dos 43 estudantes de Ayotzinapa!”. Veja o discurso com os 100 pontos de governo na praza do Zócalo.

É bom destacar uma das questões remarcadas nos discursos, além dos 100 pontos de caráter sócio-econômico, concretos e emergenciais  (fim do desemprego juvenil, salário nunca inferior à inflação, pensão garantida aos anciãos e deficientes físicos, saúde e remédios gratuitos, investimento em obras públicas e transporte ferroviário, etc…) que é a guerra à corrupção. O tema corrupção é inerente a um país, onde o maior responsável pela sua causa é a estrutura mafiosa gerada por interesses econômicos poderosos com tentáculos no exterior. Atacar a corrupção no México é combater globalmente o regime econômico-social privatizante e neo-liberal vigente; e a isso se propõe Obrador. O sentido do seu ataque à corrupção não é o mesmo utilizado pelo “lawfare” golpista que tem um sentido único, ou seja,  de criminalização da esquerda, do PT e do kirchnerismo.

Por isso, Obrador sinaliza a corrupção de altas esferas do poder (militares, juízes, ministério público) que apoiadas no neoliberalismo econômico decenal, que engendraram um mecanismo social viciado, onde a propina e o contrabando passaram a ser normais nas ruas e nas fronteiras do país. Algo similar ao que o governo Maduro da Venezuela trata de combater: os contrabandistas de fronteira e sabotadores dos produtos alimentares do Estado no comércio, apoiados pela máfia contrarrevolucionária.

Outro tema tocado: o da insegurança e violência. Não se trata de uma simples bandeira eleitoral como a agitada por governos reacionários da Argentina, ou do Brasil que enchem as ruas de policiais, compram armas dos EUA e de Israel para reprimir movimentos sociais opositores, assegurar ajustes do FMI e, então, blindar uma inteira cidade de Buenos Aires com 22 mil agentes de proteção à reunião do G-20; não se trata da legalização do uso indiscriminado de armas, criando leis como a última (a do “gatilho fácil) da Ministra de Segurança da Argentina que justifica o tiro pelas costas a um ladrão de bairro, garantindo a impunidade para os  policiais; não se trata de criar o meio de cultura do terror, do medo e da suposta luta contra a violência para justificar o “voto da bala”.

López Obrador toma de frente o problema da insegurança que é real, mas para dar uma solução de fundo, combatendo a degradação das condições de vida e o desemprego que assola o povo mexicano. É vítima da violência uma inteira sociedade, desde pobres à classe média. Por isso, a direita vence eleitoralmente no Brasil, incluindo o voto da classe média aterrorizada com a violência (mais de 100 mil vítimas em um ano). Tem sido uma falha das esquerdas não assumir essa pauta. Obrador, presidente e grande comunicador social, está disposto a ouvir a voz do povo e encarar problemas imediatos que o afligem, como este, atacando a raiz dos problemas, o regime de poder econômico-político das corporações. E com armas da reorganização da Forças Armadas junto ao povo.

A reformulação das Forças Armadas e a criação de uma Guarda Nacional, baseando-se numa reforma constitucional é transcendental. Obrador faz um chamado a que o Exército e a Marinha façam parte, ao lado das Polícias (Federal, Ministerial, Estadual e Municipal) de uma nova Guarda Nacional que atue na segurança pública; resgata a confiança no papel do Exército, composto por camponeses e gente humilde em todo o território, na defesa da soberania nacional e popular; convoca-os a serem soldados do povo, abrindo o caminho para uma união cívico-militar contra o neo-liberalismo, neste México onde o general Cárdenas deixou um legado nacionalista.

O discurso às Forças Armadas que, mais que um discurso, é um diálogo com os servidores da pátria para ganhá-los a uma missão nobre, humanitária, de defesa pública e não para a guerra e a repressão do povo.  Essencial é ganhar o exército para opor-se às forças políticas das elites desconformes com o projeto popular e que podem tentar uma via antidemocrática e golpista.

A capacidade do diálogo direto com o povo indica ser uma qualidade essencial de Obrador; o que tem faltado a algumas gestões progressistas (além do descuido na conquista de meios públicos e comunitários de comunicação). A promessa de prestar contas ao povo, diariamente (via meios de comunicação e em primeira pessoa) sobre as ações e conquistas governamentais, dá maiores esperanças de que o México terá um exemplar governo do povo e para o povo.

O México inicia uma nova era para toda a América Latina, preenchendo as lacunas que deixa o Brasil com o governo de Bolsonaro, abrindo as portas aos médicos cubanos, e reforçando o BRICs junto aos russos e chineses. E o México não ficará só: a Rússia de Putin já avisou que não permitirá a intervenção militar na Venezuela.

Os discursos de Obrador aparecem no cenário histórico, uma semana depois, como um encerramento de chave de ouro do I Fórum Internacional do Pensamento Crítico da Clacso en Buenos Aires (19/23 novembro). O México abriu a porta das conclusões práticas do que fazer – após reflexões e o balanço autocrítico sobre o fracasso das esquerdas diante do avanço da direita na América Latina.

I Fórum Internacional da Clacso

O Fórum da Clacso, ao reunir milhares de acadêmicos intelectuais e líderes políticos da esquerda latino-americana e europeia, congregou (como tantos outros Encontros internacionais) experiências mundiais, além do debate de formação política de milhares de quadros dos partidos de esquerda e movimentos sociais, essencial nos tempos que correm. Não faltando faixas e cartazes por “Lula Livre” que deram o tom maior do Fórum, contou com uma das conferencistas mais esperadas, a ex-presidenta Cristina Kirchner, ao lado de Dilma Rousseff, Boulos e Manuela do Brasil.

Cristina Kirchner numa explanação de enorme estatura de uma dirigente política chamou a refletir sobre a superação de velhas instituições de poder (Legislativo, Executivo e Justiça), criadas na revolução francesa, que não respondem às necessidades de poder popular dos nossos tempos. Vários líderes políticos como Garcia Linera (vice-presidente da Bolívia), Juan Carlos Monedero (intelectual espanhol) e Juan Grabois (dirigente da CTEP da Argentina, e amigo do Papa Francisco), analisam e chamam a conformar esse novo poder, sem o qual não há chances de controlar governos progressistas ou revolucionários para que avancem e não retrocedam.

Os debates não descartaram à tática das alianças políticas, mas reforçaram a necessidade de independência dos movimentos populares com projetos e organização próprios. Cristina apela à não segregação  e estigmatizações de esquerda contra a direita; algo que gerou polêmica, mas deu-se a entender que não se refere tanto às lideranças e partidos políticos, mas à base social, ao povo que não foi resgatado do campo da direita (dos anti-abortistas, dos anti-corrupção, dos apartidários, e apolíticos) que estão nos bairros, sem referencia organizativa da esquerda, envenenados pela igreja evangélica, pelos fake-news e mídia hegemônica (como ocorreu no Brasil), que não deixam de ser vítimas de um sistema nefasto, neoliberal e individualista.

A esquerda não soube ganhar essa base; resta-lhe o desafio de estigmatizar menos e conscientizar mais. Tarefa árdua que Lula da Silva realizou nas últimas caravanas pelo país.  Como reiterado por alguns, não se deve desprezar o papel do Partido no controle dos governos progressistas. Mas, ao mesmo tempo é preciso construir um Partido-Movimento. Sem movimento o Partido morre. Por isso, o México com Obrador sinaliza uma esperança para o Brasil, se o seu clamor por uma democracia participativa do povo, superar a democracia representativa e parlamentar para garantir o cumprimento dos 100 pontos e reconstruir um novo México livre e soberano.

Fonte: Pátria Latina

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.