‘Estamos sendo destruídos’: em carta, indígenas Kayapó pedem socorro

Por Agência Sputnik

A carta de indígenas Kayapó da Aldeia Gorotire, em Cumaru do Norte, no Pará,explicita a preocupação da população indígena local com as queimadas na Amazônia e o avanço de empresas na região

Indígenas Kayapó da Aldeia Gorotire, em Cumaru do Norte, no Pará, pedem socorro através de carta e anunciam medidas judiciais contra mineradora.

Em um documento enviado à Sputnik Brasil pelo Instituto Kenourukware Kayapo, uma associação civil indígena, são denunciadas ações ilegais de uma mineradora dentro do Território Indígena Kayapó, no Pará.

A carta explicita a preocupação da população indígena local com as queimadas na Amazônia e o avanço de empresas na região.

“Estamos sendo destruídos, nós, os povos indígenas, primeiros povos do nosso país. Em nome do poder e da ganância, nossas terras estão sendo roubadas, as nossas florestas queimadas, os nossos rios poluídos e as nossas comunidades devastadas. Os nossos parentes isolados, que vivem no coração da floresta, estão sendo atacados e mortos”, diz a carta.

O texto explica que os indígenas Kayapó estão levando adiante uma discussão judicial com o objetivo de “impedir que mais degradação seja imposta” sobre a região.

O documento cita a empresa Mineração Irajá S/A, acusando-a de invadir o Território Indígena Kayapó. Segundo o grupo que assina a carta, a empresa está extraindo minério de dentro do território Kayapó de forma ilegal.

Além disso, os Kayapós citam que as operações da empresa desequilibram a região interferindo na fauna e flora locais, além de atrapalhar a vida dos próprios indígenas.

A medida judicial citada se trata de uma Ação Civil Pública do Instituto Kenourukware Kayapo, proposta no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), através da Subseção Judiciária de Redenção.

Fonte: Brasil 247

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: