Uma rocha chamada Dirceu 

“Que saibamos honrar o sacrifício de Dirceu, Lula e tantos outros combatentes que marcaram de sangue e glória o barro que formou nossa nação. Precisamos construir a Unidade do Campo Popular e Democrático. Esta é a palavra de ordem que a história exige de nós e pela qual seremos cobrados pelas futuras gerações.”

Por Ricardo Cappelli/Brasil 247 

A entrevista de Zé Dirceu a jornalista Mônica Bergamo assombra até o mais frio e pragmático dos Marechais. É difícil não se emocionar com a história do líder estudantil que enfrentou a clandestinidade e virou general da esquerda brasileira. O petista, ereto, altivo, encara o fascismo e seu destino agarrado ao fio condutor da luta do povo brasileiro.

Se nada mudar, aos 72 anos, cumprirá 7 anos em regime fechado. Outros processos estão a caminho. Terminar seus dias no cárcere é uma hipótese real. Dirceu reconhece que pode ter cometido erros, mas como bem lhe disse Vaccari, é caçado pela direita pelos acertos, não pelos erros.

Ver um homem deste tamanho condenado à prisão perpétua dói muito. Não se trata de apreço pessoal, idolatria ou partidismo, não é o meu caso. O general volta para a masmorra para fazer companhia a Lula, num cenário jamais imaginado pelo mais pessimista dos pessimistas. O coração e a razão, na mesma cela.

Zé fala de sua própria prisão com a naturalidade dos que sabiam que conduziam parte de seu povo para morte certa na luta feroz contra o nazismo. Convictos que do sangue dos seus brotaria a consciência, a vitória e a esperança para humanidade, os comandantes travavam dentro de si um embate entre a finitude da vida, a singularidade humana e o compromisso com a história.

Que saibamos honrar o sacrifício de Dirceu, Lula e tantos outros combatentes que marcaram de sangue e glória o barro que formou nossa nação. Precisamos construir a Unidade do Campo Popular e Democrático. Esta é a palavra de ordem que a história exige de nós e pela qual seremos cobrados pelas futuras gerações.

Ricardo Cappelli é secretário da representação do governo do Maranhão em Brasília e foi presidente da União Nacional dos Estudantes.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!

COMPRE AQUI

2 Respostas

%d blogueiros gostam disto: