“Onipresença em tempos atuais: Mamãe eu morri!”
 
Texto dedicado ao povo brasileiro
 
 
Não podemos mais ser onipresentes como antes. Não podemos ir às ruas por causa da Covid e da violência.
Hoje o barro na rua, nessa roça tranquila e desértica onde moramos, impossibilitava-nos de caminhar até a praia.
 
Hoje não pudemos estar nas manifestações políticas em Brasília sobre direitos dos povos indígenas e nem nas do povo em luta, nem na Síria. O gás lacrimogêneo se alastrou por todo território nacional e internacional.
 
Hoje não pudemos ir às “Diretas Já”, nem ir ao enterro do estudante nesta ditadura, não temos dinheiro para o ônibus, para o trem, para o barco ou para o jegue. E nem para o lanche e estamos exaustos. Os cavalos dos militares e policiais estão a pisotear nossas cabeças.
 
Hoje não pudemos ir ao enterro de Marielle Franco. O dia de hoje não há aulas nas escolas e as crianças e jovens começam a adoecer na angústia do “querer conhecimento”. Há Covid, balas perdidas, violência de gênero, violência verbal, de raça, etnia, desemprego, miséria e os bandidos que não conseguiram estudar.
 
Hoje impera a corrupção. Não pudemos sair e assistir o desenrolar da nova Constituição de 1988. A idade já não permite quando se tem limitações e sem segurança nas ruas, nas estradas da vida, nos ônibus, nos trens, nos aviões, nos planetas e nas estrelas. Os satélites nos empreitam. A Covid está no ar. O poderio governamental está no ar fétido a querer invadir nossas mentes e poluir nossos cérebros e corações.
 
Hoje não podemos sair, Adolf Hitler colocou todo seu exército nas ruas a assassinar os judeus e ao enviá-los à morte nas câmeras de gás disfarçadas de chuveiros. Querem fazer pousada forçada em nossas almas e energias.
 
Hoje só restou ver o céu cinza, as nuvens encorpadas, os respingos da chuva ácida e envenenadas em nossas almas e a fumaça doentia da queima das florestas.
 
Antes éramos onipresentes nos campos e cidades quando a Ku Klux Klan incendiou casas e celeiros, assim como os Lords o fizeram na África e na Ásia.
 
Nossas pernas indígenas e do povo empobrecido de todas as Américas caminhavam quilômetros e não cansavam. Os cavalos brancos e pretos dos Sioux, Navajos y hermanos podiam subir e descer montanhas. Saíamos atrás das galinhas e a brigar com os cachorros que queriam saborear-se com seus ovos.
 
Hoje as cordas de roupas lavadas com sacrifício dos braços e força de mamãe não arrebentaram. Ela não precisou mais lavar tudo de novo. Era greve geral e revolucionários estavam a postos. Hoje ela não cantou e não tocamos os instrumentos musicais: acordeon, violino, flauta, flautim, tuba, piston. Hoje ninguém debochou de nós, família pobre, indígena ou preta, mas honradas e a quererem trabalhar e estudar.
 
Hoje acabou o fumo de rolo da vovó e sua cachaça infernal. Hoje ela não tinha mais forças para vender bananas na feira. Hoje ela morreu de pneumonia e tristeza. Assim morreu papai de tuberculose contraída da “Miséria do “Mundo” e assassinado.
 
Hoje às vozes emudeceram assim como os instrumentos. Hoje não conseguimos pão, lápis e papel…Hoje não caminhamos duas horas para chegar à escola. Estávamos presos em nossas próprias paredes psicológicas. Hoje nem pudemos ir ao brejinho espantar cobras e lagartos.
 
Nossos irmãos de sangue e arteiros não puderam mais fritar suas rãs pegas nos riachinhos. Hoje o mato parou de crescer. Não há mais húmus na terra. No dia de hoje as músicas pararam de soar e o sol ficou escuro, mas hoje teve angu com bofe e ontem, caldo de feijão engrossado com farinha de trigo feito por mamãe. Mas ontem nada tinha. E assim são os nossos dias.
 
Hoje os peixes dos rios, mares e lagoas morreram. As plantações secaram e o agronegócio do empresariado chegou às casas dos ricos. Hoje, a noite chegou fria e suspeitosa.
 
Mamãe, mamãe !… Tenho dor de ouvido e de garganta! Quero gritar e a voz não sai… Quero enxergar e meus olhos embaçam, quero sentir e o coração dói. O que faço mamãe?
 
_”Hoje eu não pude viver e ver o sol tão alegre_”, disseram os que morreram de Covid-19.
 
Hoje já não sinto mais nada.
 
Eliane Potiguara – escritora indígena, militante da Resistência. 
 

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!
COMPRE AQUI

continua depois da propaganda