Lições sobre crença e cura indígena

Os Katukina empregam partes de alguns animais para despertar determinadas qualidades nas crianças. Assim, retiram o tutano (napo) do veado (txasho), animal ligeiro, e esfregam-no nas pernas das crianças para que logo aprendam a andar.

Já do tatu-canastra (pano), recolhem um pouco de sangue (imi) e passam-no na testa das crianças, para que vivam muitos anos. Costumam também dar a cabeça do pica-pau (voi) para os meninos comerem, a fim de que no futuro saibam derrubar árvores, acertando as partes ocas, para preparar os roçados.

Os Ashaninka batem com a língua do tucano na boca da criança para que ela fale bem. Bater com o pênis do porquinho do mato nos meninos faz com que eles adquiram muita resistência e aprendam a correr na mata.

Alguns seringueiros apreciam as virtudes curativas da banha de capivara, um animal muito fácil de abater e que, por conta disso, acabou se tornando muito raro na floresta.

Fonte: Enciclopédia da Floresta. O Alto Juruá: Práticas e Conhecimentos das Populações. Manuela Carneiro da Cunha e Mauro Almeida (organizadores). Editora Companhia das Letras, 2002.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Leia a Revista Xapuri 81



QUERO ASSINAR

 

continua depois da propaganda