Mães Fulni-ô: O cuidado com as criaturinhas que chegam a este mundo

“Assim que nasce uma criança, as mães têm muito cuidado com ela. Há alguns anos, as crianças nasciam na aldeia, sendo cuidadas desde o momento do parto pelas parteiras índias, geralmente as mais velhas…

E tinha toda uma forma especial de cuidado para que não ocorressem complicações durante o parto. Todos esses cuidados tinham uma grande importância, e era muito difícil uma mulher morrer na hora em que estava dando a luz.

O principal cuidado é com o umbigo. Depois do nascimento, com oito dias, ele tem que cair. Se o umbigo fica inflamado, as  mães curam com óleo de coco, que elas mesmas fazem, e pó de plantas como a folha do samba-caitá, da aroeira, e da palha do coqueiro do ouricuri queimados, e transformados em pó. O umbigo deve ser enterrado, e não pode ser deixado à toda, porque traz má sorte para a criança.

As mães ficam muito atentas ao resguardo para que ele não seja quebrado. Elas não podem ser assustadas, fazer esforço físico e ter sentimentos de raiva. Ele dura trinta e cinco dias, quando o parto é normal, quando é cesariano, o resguardo dura sessenta dias. O resguardo não pode ser quebrado, porque pode provocar vários problemas de saúde como: dor de cabeça, nervoso, entre outros.

No resguardo, as mães não podem comer comidas carregadas: preá, tiú, peixes sem escama ( traíra, bambá e outros), porco, peru, carneiro. O tempero tem que ser fraco, geralmente água e sal. A comida mais indicada é pirão com farinha de mandioca com caldo de carne, galinha ou peixe.

Essa dieta também é seguida por mulheres que estão menstruadas, pessoas que fizeram qualquer tipo de cirurgia e pessoas que estão com inflamações internas no corpo.

As mães são excelentes no cuidado de seus filhos recém-nascidos, elas dão banhos de ervas sagradas para espantar o mal. Não pode deixar as crianças sozinhas para que os espíritos ruins não apareçam, eles podem deixar a criança chorando e as mães ficam sem saber o que a criança tem. Se acontecer isso, é também mau olhado, a mãe leva a criança para rezadeira rezar”.

 

SOBRE OS FULNI-Ô

Os Fulni-ô, povo indígena pertencente ao tronco Macro-Jê, contam com uma população de 3.657 pessoas (Funasa, 2006). Atualmente, habitam a terra Fulni-ô, circunscrita a 11.506 hectares e localizada no município de Águas Belas, estado de Pernambuco, região semiárida do Nordeste Brasileiro. Nessa Terra Indígena existem três aldeias: a Aldeia Sede, onde a maioria da população habita; a Aldeia Xixiakjlá; e a Aldeia do Ouricuri, local sagrado onde são realizados os rituais religiosos dos Fulni-ô.

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO

Fonte: Excerto do livro “Medicina Tradicional  Fulni-ô: Nossa Natureza Sagrada”. Associação Mista Cacique Procópio Sarapó. 2008. Foto: afolhadobosque.typepad.com



Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO