fbpx

Ser índio no Brasil nos dias de hoje

Por: Ailton Krenak

É ter que lutar a cada dia para se fazer respeitar.

É proteger a vida, proteger a aldeia, proteger a nossa própria segurança pessoal.

É manter-se vivo.

É tentar proteger os lugares onde nós vivemos – o rio, a floresta – com a nossa própria vida, porque o Estado está totalmente rendido.

É uma situação de “salve-se quem puder”.

É defender o direito à vida, o direito de ir e vir e de se expressar, porque estão todos em suspenso.

É assistir a uma disputa muito grande do interesse privado sobre o interesse comum. Como o povo indígena vive de uma maneira que expressa o direito coletivo, ele fica muito exposto a essa violência colonialista que quer devastar tudo.

É sofrer por Belo Monte, lá no Xingu; pelos índios Kaiowá Guarani, no Mato Grosso do Sul; pelos Guaranis, no Pico do Jaraguá, em São Paulo; pelos Uru-Eu-Uau-Uau, em Rondônia.

continua depois da propaganda

Tudo isso são exemplos gritantes da violência que tem sido feita contra o interesse coletivo dos povos indígenas do Brasil nos dias de hoje.

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

 

continua depois da propaganda