Depois de passar pela capital mineira, a turnê Caravanas, de Chico Buarque de Holanda, fez desembarque no Rio de Janeiro, neste comecinho de 2018.

A estreia no Rio, na noite do dia 4, foi apoteótica. Nossa mesa, na primeira fila, me trouxe a possibilidade de ver Chico bem ali na minha frente, quase um deus, com aqueles olhos de mar tragando a plateia. Homens, mulheres, todxs, sem distinção, em atitude de reverência ao ser humano, ao artista, ao brasileiro Chico Buarque de Holanda.

Eu, de tão emocionada (desculpem, mas perco mesmo até a compostura!), mal consegui fazer alguns registros. E lá veio ele, cantando, sambando, relembrando e entremeando as músicas de Caravanas.

Na música título, não houve como não fazer pequena digressão com os versos “filha do medo a raiva é mãe da covardia” pra pensar nesse ódio gratuito que grassa por aí. E pensar até que a doida sou eu, não deve haver gente tão insana… Mas foi breve, porque impossível não me arrepiar e não permanecer com os olhos fixos e os ouvidos em estado de alerta máximo durante aquelas exatas duas horas.

O show terminou, e Chico se foi caminhando com aquele passinho curto para os bastidores. Pedimos mais um, gritamos volta, Chico, mas foi só quando a plateia em coro gritou bem alto “FOOOra, Temer”, que ele voltou, com Geni e o Zepelin. Cantou mais um tantinho, e o pano fechou.

De repente, ao fundo, na plateia que não queria sair dali, um grupo começou aquela música que não sai dos ouvidos do povo: “Olê, olê, olê, olá, Lula, Lula”! Foi a senha pra que o coro se formasse, pra que soltássemos as vozes, e pra que ele viesse novamente, olhos mais brilhantes ainda, cantando seu Partido Alto, um chamado expresso à indignação.

Naquele instante, a gente sentiu que pode demorar um tiquinho, que nada é pra já, mas que a esperança, mesmo que se equilibrando, está aí, e vai voltar!

O show Caravanas permanece no Rio até 4 de fevereiro. Em março, a temporada será na capital paulista. A partir daí, deve seguir pra outras capitais, inclusive Brasília, onde deve chegar ainda no primeiro semestre de 2018.

Lúcia Resende –Professora

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.