Por Ana Paula Sabino

Nesses últimos tempos temos grandes perdas e importantes legados a serem considerados, sentidos e colocados em prática.

Justiça, amor à terra e aos filhos da terra são ações de ordem, expressas na poesia de Dom Pedro Casaldáliga e vividas pelos dois profetas da paz,  Pedro e Aritana, defensores das vidas na terra. Ambos intermediaram a demanda do mundo indígena com a sociedade não indígena, a demanda dos povos oprimidos pelo latifúndio, pelo capital.

Eles fizeram suas passagens para o mundo espiritual, Pedro do povo e o grande chefe dos povos do que habitam o Alto Xingu, Parque Indígena do Xingu, estão enterrados no Mato Grosso, em suas terras, em suas moradas eternas. Um à beira do rio Araguaia e outro do rio Xingu.

Os povos do Araguaia sentem o luto e os povos do Xingu também, o que nos resta é fortalecer o legado de ambos, dar força para os que ficaram seguir e permanecer na paz e luta.

Lendo algumas poesias de Pedro para atravessar o memento de dor, me deparo com essa, linda mensagem, que é tão atual, um poema escrito em 2006. A defesa pelos povos indígenas e a preocupação com o meio ambiente e sua devastação são temáticas recorrentes na poética de Casaldáliga:

Roubaram as Terras Índias

Roubaram as terras indígenas

E batizam as fazendas

Com nomes índios ausentes.

Aritana, onde está?

Debaixo da terra os mortos

Pedem os cantos da tribo…

E só respondem os bois

Calcando a paz invadida.

Aqui, onde a mata um dia

Erguera seus arcos verdes,

Se alastra o capim exangue.

O sol, que foi testemunha,

Se vinga no chão despido.

E pela estrada invasora

A seriema costura

Um telegrama impotente.

Tão atual, a poesia de Dom Pedro denuncia a prática dos latifundiários ao se apropriarem das terras indígenas, desmatando as florestas com o único objetivo do lucro. O gado ocupa o espaço das matas,  que são substituídas pelo capim e o sol acaba por servir de testemunha e vinga-se pela ausência das árvores.

O silêncio indígena ressoa triste na voz da seriema, no luto que vivem as aldeias neste momento, a dor é de todos nós que estamos ao lado deles, junto com eles. E que os encontros e legados depois essa pandemia seja ancorado na força dos líderes que estão nos deixando. Ficamos órfãos, mais não perdemos a luta. Temos de ter fé de guerrilheir@s e amor de revolucionári@s. Sem perder o foco na força, altivez, serenidade, educação e inteligência do grande cacique.

Seguir na resistência da poesia tão atualizada de Dom PedroCasaldáliga, que vai além da religião, anuncia os conflitos sociais, históricos e econômicos, contudo, pela utopia cristã, procura manter sua voz viva e renovada, acreditando em dias melhores em uma “Terra sem males”.

Ana Paula Sabino é jornalista e membro do Conselho Editorial da Revista Xapuri.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193.

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: