A Saúde é um grande comércio –

Padre Joacir S. d´Abadia

Você paga plano de saúde? Saiba que até uma balinha que você compra tem que pagar imposto. Ora essa! Não tem plano de saúde? Vai pagar imposto do mesmo modo. Não tem como correr.

Nosso sistema está projetado para gerar dinheiro. O capital é o grande doutor. Sem dinheiro você pega fila quilométrica. Com suas economias monetárias possivelmente você se aproximará de algum “cuidado”. Mas tratar-se é uma questão muito cara. A saúde é um grande comércio, pois toda ela é paga.

Nos hospitais públicos têm profissionais pagos para atender a população, mas com frequência esses profissionais estão sobrecarregados e, às vezes, atendem cansados.

Porém, muitos atendem, “sem tempo”, nos hospitais públicos, mas têm tempo para atender nos hospitais particulares. Então, a população paga duas vezes por um mesmo serviço quando alguém prefere buscar um médico particular?

Uma consulta custa muito caro. O médico dita seu preço por uma média de três minutos. Isso mesmo, uma consulta onde o profissional de saúde apenas informa: “o paciente precisa ficar internado”. Esse profissional recebe cerca de R$ 200,00 reais para dizer essas palavras, as quais são ditas escrevendo em um prontuário.

Nesse segundo a pessoa se dá conta de que um plano de saúde lhe ajudaria a não pagar pelo tratamento. Contudo, ela esquece de que sua vida não é aposentada  no luxo e que tem muito mais coisas importantes que ela não deve deixar de se preocupar.

Por exemplo, se você tem 34 anos de idade e tem plano de saúde o valor do seu plano mensal gira na casa dos R$ 760,00 mensais. Desse modo, a pessoa pensa o que seria interessante: “pagar R$ 1.350,00 por um dia de internação ou continuar com o plano de saúde mensal?”. Sem um plano os valores são todos pagos à vista. Com o plano o valor vai embora mensal sem a possibilidade de reembolso.

O comércio se instalou de uma forma tão ludibriante entre as empresas ligas à saúde que nos grandes centros hospitalares as clínicas não perdem tempo, elas estão dentro do próprio recinto. Não deixa o paciente optar por uma outra,  pois foi aquela que ganhou o direto de realizar o determinado procedimento.

A saúde, portanto, deixa de ser um simples procedimento que se cura com remédios caseiros e passa a fazer parte da economia que gira milhões de reais ao dia. Na busca por um hospital público se paga a humilhação de se ver que falta quase tudo.

De outra forma, nos atendimentos particulares não falta nada para se pagar: paga-se tudo. A saúde, toda ela, é paga. A SAÚDE, com efeito, é um grande Comércio.

foto: fenam.org.br

ANOTE AÍ:

Padre Joacir d’Abadia – Filósofo autor de vários livros, da “Academia de Letras e Artes do Nordeste Goiano” e da “Casa do Poeta Brasileiro – Seção Formosa-GO” e autor do mais recente livro “A Incógnita de Cully Woskhin” (Editora Palavra & Prece, 2018)

Comentários