fbpx

Insetos: O superalimento do futuro?

Consumidos hoje por cerca de dois milhões de seres humanos, cada vez mais os insetos vão sendo considerados como essenciais para o futuro da nutrição e da agricultura sustentável. Como possuem uma alta concentração de proteínas, lipídios, fibras, minerais e, principalmente, de todos os nove aminoácidos essenciais para a dieta humana, muitos insetos oferecem o chamado “pacote nutritivo completo”…

Por Eduardo Pereira 

Consumidos hoje por cerca de dois milhões de seres humanos, cada vez mais os insetos vão sendo considerados como essenciais para o futuro da nutrição e da agricultura sustentável. Como possuem uma alta concentração de proteínas, lipídios, fibras, minerais e, principalmente, de todos os nove aminoácidos essenciais para a dieta humana, muitos insetos oferecem o chamado “pacote nutritivo completo”.

Estudos mostram que a entomofagia, ou o consumo alimentar de insetos, pode oferecer grande vantagem não somente para saúde humana, mas também para a saúde do planeta. O cultivo de insetos, dizem os especialistas, pode gerar o mesmo estoque de proteína oferecido pelo gado, pelo porco ou pelas aves domésticas, com uma emissão muito menor de CO2 e com o uso de muito menos recursos naturais.

Ou seja, uma verdadeira revolução para a agricultura, hoje uma das maiores responsáveis pela emissão de gases de efeito estufa, pelo desmatamento e pelo consumo de água no planeta. Mais, a FAO, em um relatório de mais de 200 páginas, recomenda a entomofagia como a melhor forma de erradicar a fome no mundo. Segundo a FAO, existem mais de 1.900 insetos comestíveis disponíveis para a dieta humana.

Nos Estados Unidos, grilos e gafanhotos já começam a ser comercializados no formato de barras e suplementos de proteína. E, embora cause certa aversão entre as pessoas, a igualmente nutritiva larva de farinha já está sendo adotada como complemento nutricional em alguns países, tanto para a alimentação humana como para a de outros animais.

No Brasil, segundo a FAO, há cerca de 135 espécies de insetos comestíveis, já em uso por nossas comunidades indígenas, quilombolas e ribeirinhas. Dentre elas, destaca-se a formiga conhecida como tanajura (do tupi-guarani: formiga que se come), amplamente utilizada não somente como “mistura” com o arroz e o feijão, substituindo a carne, mas também em receitas da chamada alta gastronomia.

Segundo a nutricionista Maria Lúcia Barreto Sá, colunista da Slow Food Brasil, “enquanto a carne bovina possui 20% de proteínas, as formigas contêm aproximadamente 44%, sendo sua composição ainda rica em sódio, potássio, ferro, cálcio e ácidos graxos”.

Por essa razão, fica a pergunta: Poderá o mercado crescente da entomofagia representar um grande potencial para o mercado interno e para a exportação, transformando os insetos no superalimento do futuro?

Eduardo Pereira

Eduardo Pereira

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

continua depois da propaganda

E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!
COMPRE AQUI

continua depois da propaganda