Por Zezé Weiss     

Antes mesmo de inaugurar o poço artesiano doado pelo Movimento Solidário, na comunidade de Brandura os canteiros da horta já estavam todos prontos, aguardando só a água jorrar para começar o plantio. Tudo coordenado por dona Lourdes, sete filhos e três netos, lavradora e líder comunitária.

A gente produz mandioca, maxixe, feijão, mas bem longe de casa, a mais de mais de hora e meia de caminhada, porque aqui onde a gente mora a área é de areia, não é de barro para segurar a plantação

Até agora, antes desse poço artesiano que a Fenae fez pra nós, água perto de casa tinha só de cacimba, que é um buraco que a gente fura na areia para alcançar a água e trazer pra casa

Aqui, a participação das mulheres é muito forte, aqui mulher faz de tudo na lavoura – planta a maniva da mandioca, capina a roça de milho… O problema não é plantar, o problema delas é que pra vender têm que se deslocar pra Belágua, pra Urbano Santos, aí as crianças ficam desassistidas

Com a água na comunidade, as mulheres vão poder cuidar mais da horta, melhorar a alimentação dos filhos, talvez vender um pouco para comprar mais sementes, plantar de novo e ampliar o plantio…

Felizmente nós hoje temos a luz em todas as casas, graças ao Luz para Todos, e a água. Espero em Deus que o prefeito cumpra o que prometeu e mande os canos pra gente instalar a água nas casas,  porque as casas aqui são assim, 300, 500 metros uma longe da outra, por conta das águas que no inverno chegam e alagam tudo, deixando sem água só os pontos altos onde estão nossas casas.”

Dona Lourdes conta que ela própria com seu esposo planta duas linhas por ano, cada linha sendo um quadrado de 30 por 20 braças, mas nunca sabe quanto de farinha produz, porque vai fazendo o ano inteiro para o sustento da família. No fim, vende pouco, a maior parte do que produz é consumido pra subsistência da família.

Daqui pra frente, ela diz: “Com água do poço nós vamos produzir muita verdura, vamos melhorar nossa alimentação e o que sobrar vamos vender em Belágua e, em caso de alguém doente, vamos ter pra doar também, porque o exemplo do Movimento Solidário faz a gente ter muita vontade de praticar a solidariedade também”. 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: