Ao se aproximar de suas seis décadas de trabalho, o Sindicato dos Bancários de Brasília consolida uma trajetória vitoriosa de lutas em defesa da Categoria, do Movimento Sindical, da Classe Trabalhadora e da própria democracia brasileira.

Em seus 58 anos de trabalho – o reconhecimento oficial veio, via Carta Sindical do Ministério do Trabalho, em 23 de novembro de 1961 – nosso Sindicato se orgulha de ter travado sempre a luta combativa e democrática em defesa dos direitos de seus/suas filiados/os, da livre manifestação e organização de toda a classe trabalhadora brasileira, e incondicional defesa de direitos do povo brasileiro.

Desde o começo, éramos cerca de 400, a maioria do Banco do Brasil, sob a firme liderança de Adelino Cassis, nosso primeiro presidente, falecido em julho de 2011, no mesmo dia do encerramento da 13ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, nosso Sindicato seguiu os passos de sua predecessora, a Associação dos Bancários, que funcionava na 712 Sul.

Em 1962, o Sindicato já atendia a categoria no edifício Arnaldo Villares, no Setor Comercial Sul, onde hoje fica o Sindicato dos Urbanitários (STIU-DF). Hoje, com milhares de associados e associadas, resumimos aqui um pouco de nossas conquistas.

SOLIDARIEDADE DE CLASSES: Em 1963, o Sindicato já mobilizava e organizava uma das primeiras greves dos funcionários do Banco do Brasil. Com o Setor Bancário Sul ainda em construção, a entidade improvisava, sob estacas de madeiras, o planejamento da luta. No mesmo ano, o Sindicato também apoiou a greve dos barbeiros de Brasília, o que demonstra que desde aquela época a entidade já valorizava a solidariedade de classes, um dos princípios da CUT mantido até hoje com o apoio à luta de todos os trabalhadores. Da mesma forma que várias outras entidades de classe, grupos estudantis, partidos políticos, o Sindicato, seus militantes e filiados foram duramente reprimidos durante a ditadura militar (1964-1985). Entre 1964 e meados dos anos 1970, o Sindicato foi controlado por interventores nomeados pelos militares, que conduziam no dia a dia a política de atrelamento da entidade ao regime político em vigor. Mesmo durante o regime militar, o Sindicato apoiou, entre 1983 e 1984, o Diretas Já, movimento civil de reivindicação por eleições presidenciais diretas no Brasil. Em 1985, os bancários fazem a primeira greve nacional pós-64, uma das maiores da história da categoria, e conquistam reposição de perdas salariais.

QUEM TRABALHA EM BANCO É BANCÁRIO/A: Com o apoio do Sindicato, em 1985, depois de uma paralisação nacional os empregados/as da Caixa que antes eram denominados economiários/as são reconhecidos como bancários/as e conquistam a jornada de 6 horas. Depois de sucessivas paralisações, bancários e bancárias obtém novas conquistas e se transformam na primeira categoria do país com data-base e unidade nacionais. Em 1986, forte aparato policial tentou, em vão, intimidar os bancários do Bradesco. Dois anos depois, grande repressão tentou impedir os bancários do BRB de cruzarem os braços. Com o apoio do Sindicato, os trabalhadores continuaram com o movimento.

NEOLIBERALISMO: Em 1992, o Sindicato foi uma das primeiras entidades a apoiar o processo de impugnação do mandato de Collor e usou de toda a sua capacidade de mobilização na campanha pelo impeachment de Collor de Mello que, além das denúncias de corrupção, aprofundou a recessão econômica, corroborada pela extinção, em 1990, de mais de 920 mil postos de trabalho e uma inflação na casa dos 1.200% ao ano. Acuado, Collor não esperou pelo Impeachment e renunciou em 29 de dezembro de 1992, tornando-se inelegível por 8 anos. Em 1999, durante campanha em defesa dos bancos públicos, o Sindicato voltou às ruas para realizar atos contra o governo. Graças a uma intensa campanha, que contou com o grande apoio dos e das bancários/as e de outras categorias, o Banco do Brasil e a Caixa continuam públicos, embora siga a ameaça de privação.

DEFESA DO BRB PÚBLICO: Em 2007 e 2008, o Sindicato encabeçou a bem-sucedida campanha contra a privatização do BRB. Intitulada ‘o BRB é nosso, é do DF, privatização não’, a iniciativa mobilizou bancários, parlamentares e a sociedade civil em defesa do BRB. A forte atuação do Sindicato e o empenho da categoria impediu que o banco fosse vendido. A luta em defesa do banco regional público segue nos dias atuais, com campanhas conjuntas com os trabalhadores de outras empresas públicas do DF. As investidas privatistas de governos passageiros são enfrentadas, até os dias de hoje, com o protagonismo dos bancários.

JORNADA LEGAL: O Sindicato se mobilizou e foi pra linha de frente na luta contra a retirada de direitos e por melhores condições de trabalho e condições de vida, sobretudo na batalha travada contra os banqueiros pela jornada de 6 horas, para a Categoria e para toda a classe trabalhadora. O Sindicato foi pioneiro nas ações judiciais coletivas de 7ª e 8ª horas para garantir que bancários e bancárias tenham seus direitos trabalhistas respeitados.

RESISTÊNCIA À RETIRADA DE DIREITOS: O Sindicato foi às ruas dialogar com a população e informar a sociedade, e ao Congresso Nacional para protestar contra os efeitos nefastos do Projeto de Lei – PL 4330, do governo golpista de Michel Temer, que institui a terceirização irrestrita, acaba com empregos, reduz salários e só beneficia o empresariado. Em defesa da Assistência a Saúde dos Bancários o Sindicato se posicionou contra a Resolução 23 da CGPAR, também de Temer, que investiu sobre os planos de saúde de autogestão das empresas públicas. Neste sentido, intensificou a mobilização da categoria, realizou diversos atos e atuou junto à Justiça e ao Parlamento e por esta luta assegurou em conjunto com outras entidades a Suspensão da aplicação da CGPAR 23, ainda,  a partir do Protocolo – feito pela deputada Érika Kokay (PT/DF) – do Projeto de Decreto Legislativo de Sustação de Atos Normativos do Poder Executivo propõe sustar os efeitos da Resolução nº 23.

MP 905 – EFEITOS SUSPENSOS: A partir da pressão dos Sindicatos, o Comando Nacional dos Bancários garantiu em mesa até a assinatura de um termo aditivo à Convenção Nacional dos Bancários (CCT) a não aplicação dos efeitos para bancários/as da MPV 905/2019, mantendo assim a jornada legal de trabalho de 30 horas, de segunda a sexta-feira.

PRESIDENTES

Entre 1960 a 2019, o Sindicato dos Bancários contou com 26 gestões, envolvendo 742 dirigentes, que representaram e representam a categoria de Brasília. Nosso presidente atual é Kleytton Guimarães Morais, e antes dele vieram: Eduardo Araújo de Souza, Rodrigo Lopes Britto, Jacy Afonso de Melo, José Wilson da Silva, Jacques de Oliveira Pena, José Alves da Silva, Erika Jucá Kokay, Paulo Borges,José Sampaio de Lacerda Júnior, Augusto Silveira de Carvalho, Benedicto José Rodrigues, Alvimar Figueira da Fonseca, e Adelino Cassis, nosso primeiro presidente.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: