Com respeito à diversidade do campo em seus aspectos sociais, culturais, ambientais, políticos, religiosos e econômicos, como determina a Portaria nº 419 de 2018 que trata do direito à Educação do Campo, o trabalho em equipe das educadoras e educadores da Escola Classe Sonhém de Cima, da Coordenação Regional de Ensino de Sobradinho, tem gerado resultados positivos.

A escola do campo, localizada no Assentamento Contagem, na Fercal, recebe todos os dias cerca de 180 educandos que, graças a integração de dois projetos pedagógicos, reforçam o aprendizado dos conteúdos curriculares (Língua Portuguesa, Matemática, Geografia, História, Ciências, Artes) em consonância com os princípios da Educação Ambiental e com as matrizes formativas da Educação do Campo (Terra, Luta Social, Trabalho, Cultura, Opressão, entre outras) presentes no território camponês.

O primeiro projeto denominado A contagem do Contagem, tem a participação coletiva e dialógica de todos os educadores da escola com a mediação da gestora Maria do Socorro Ritter e os educadores Sérgio Luiz Teixeira e Aluízio Augusto Carvalho. Trata-se de uma iniciativa que busca aproximar e agregar conhecimentos curriculares aos saberes e fazeres da população camponesa.

Por meio da proposta, os estudantes contribuem na produção do inventário social, histórico, cultural e ambiental do Assentamento
Contagem, intitulado Escola Classe Sonhém de Cima: os saberes e os fazeres do campo com prosas e rimas. Este trabalho educativo consiste em uma ampla pesquisa etnográfica sobre os conhecimentos dos primeiros moradores, dos posseiros (pessoa que detém a posse da terra) e dos Sem Terra. Além disso, busca reiterar a importância da Reforma Agrária. Pegando o gancho da Educação Ambiental,
os alunos participam do Projeto As mãos da Sonhém Cuidando do Nosso Bem, onde os educandos visitam as famílias do assentamento,
contam histórias, cuidam, limpam e preservam diversos espaços da comunidade como, por exemplo, a nascente da Bacia do Rio Maranhão, que abrange o limite das redondezas onde o assentamento está localizado. Na última ação, o Coletivo Girassol, composto por turmas do 5º ano, visitou uma das moradoras do Contagem, que devido problemas de saúde, encontra-se acamada. Lá, os estudantes recolheram todo lixo da propriedade e finalizaram o dia de trabalho coletivo e solidário com a encenação teatral do conto Cinderela.
“Nosso projeto está alicerçado em quatro eixos: terra, direitos humanos, trabalho e alimento.

Além de valorizar a população do campo e desconstruir a imagem pejorativa dos Sem Terra criada pela mídia, nosso objetivo é também
despertar nesses educandos o sentimento de conscientização em prol da classe trabalhadora camponesa. Aqui, eles entendem que é possível morar e trabalhar no campo, preservar o meio ambiente e ainda e produzir alimentação saudável, sem agrotóxicos”, conclui o professor Sérgio Luiz Teixeira.

E a prova de que o projeto de fato tem colhido bons frutos pode ser vista no depoimento dos estudantes, que sentem orgulho de suas raízes e em fazer parte de uma escola do campo. Kayky Lima Brito, 10 anos, estudante do 5º ano, conta emocionado um pouco da história de sua família. “Tenho orgulho em ser parente de pessoas que tiveram tanta luta. Sempre escuto as histórias que meus tios, meu pai e, principalmente, minha avó, Luzia Rodrigues de Souza, contam sobre a difícil luta junto ao Incra para garantir nossa terra. Com muito aperreio conseguimos uma boa chácara, perto do rio. Nós plantamos mandioca, banana, quiabo e produzimos farinha. E é com a venda
desses produtos na feira que garantimos nosso sustento”, explica.

Já a aluna Kevelen Pereira de Moura Silva, 11 anos, também estudante do 5°, explica que seu avô materno fez parte dos posseiros e sua avó paterna era uma das acampadas, e foi graças a luta dos dois que a conquista da terra foi garantida. “Meu pai e minha avó que cuidam da nossa chácara. Plantamos banana e abóbora e a irrigação vem do rio que passa no fundo da casa. Além disso, criamos vacas, porcos e galinhas. Eu tenho muito orgulho da minha história, e saber que nada do que temos hoje foi de graça, tudo foi fruto de muita luta dos meus familiares para que a gente pudesse ter nosso cantinho é motivo de muito orgulho para mim. As pessoas precisam reconhecer mais o nosso trabalho e a nossa luta”, concluiu.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826Camiseta Lula Cadê a Prova 

https://youtu.be/o8NP2U9Zc5U

Leave a Reply

Your email address will not be published.