Por Leonardo Boff 

Hoje celebramos o mês da mulher num contexto de grande conscientização a nível mundial sobre as violências que sofrem as mulheres pelos homens, maridos, namorados e parentes, inclusive crianças inocentes. O tráfico de mulheres no mundo ascende a um bilhão de dólares.

A cultura patriarcal não foi superada ainda. Pelo fato de a mulher ser mulher, pode ter a mesma competência que os homens, ganha cerca de 20% a menos em quase todos os países do mundo. E a saber que no começo de tudo está não o masculino (o mito de Adão) mas o feminino, gerador de todos os humanos, desde as águas primordiais dos oceanos e depois geneticamente.

Não há como reparar esta discriminação senão fazendo uma verdadeira revolução de hábitos. Elas, as mulheres, a estão fazendo. Nós podemos ser forças auxiliares, mudando nós mesmos, apoiando-as em tudo e sendo parceiros e companheiros delas em todas as tarefas da vida. Há uma diferença de gênero. Mas a diferença é para a reciprocidade e a mutualidade de tal modo que nos relacionando, em formas paritárias, todos nos faremos mais completos e humanos.

As mulheres são mais da metade da humanidade. E são também as mães e irmãs da outra metade que são os homens. Como não tratá-las com carinho e cuidado que merecem? Foram elas que nos puseram neste mundo. Estamos sempre em seus corações e de lá nunca sairemos.

Há muitos textos comovedores que exaltam a fi gura da mulher. Mas há um de grande beleza e verdade que nos vem da África, de uma nobre abissínia, recolhido como prefácio ao livro Introdução à essência da mitologia (1941), escrito por dois grandes mestres na área, Charles Kerény e C. G. Jung. Assim fala uma mulher em nome de todas as mulheres.

Como pode saber um homem o que é uma mulher? A vida da mulher é inteiramente diferente daquela dos homens. Deus a fez assim. O homem fica o mesmo, do tempo de sua circuncisão até o seu declínio. Ele é o mesmo antes e depois de ter encontrado, pela primeira vez, uma mulher. O dia, porém, em que a mulher conheceu seu primeiro amor, sua vida se divide em duas partes. Neste dia ela se torna outra. Antes do primeiro amor, o homem é igual ao que era antes. A mulher, a partir do dia de seu primeiro amor, é outra. E assim permanecerá por toda a vida toda.

O homem passa uma noite com uma mulher e depois vai embora. Sua vida e seu corpo são sempre os mesmos. A mulher, porém, concebe. Como mãe, ela é diferente da mulher que não é mãe. Pois, ela carrega em seu corpo, por nove meses, as consequências de uma noite. Algo cresce dentro dela, que jamais desaparecerá. Pois ela é mulher e mãe. E permanecerá mulher e mãe, mesmo quando a criança ou todas as crianças tiverem morrido. Pois ela carregou a criança em seu coração. Mesmo depois que ela nasceu, continua a carregá-la em seu coração. E de seu coração não jamais sairá. Mesmo que a criança não viva mais.

Tudo isso o homem não conhece. Ele não sabe nada disso. Ele não conhece a diferença entre o “antes do amor” e o “depois do amor”, entre antes da maternidade e depois da maternidade. Ele não pode conhecer. Só uma mulher pode saber e falar sobre isso. É por isso que nós, mulheres e mães, nunca nos deixaremos persuadir pelo machismo de nossos maridos. A mulher pode somente uma coisa: ela pode cuidar dela mesma; ela pode se conservar decentemente; ela deve ser o que a sua natureza é; ela deve ser sempre menina e mãe. Antes de cada amor é menina. Depois de cada amor é mulher e mãe. Nisso poderás saber se ela é uma boa mulher e mãe ou não”.

Sem dúvida, trata-se se uma visão sublimada da mulher e da mãe. Pois nelas há também sombras que acompanham sempre a condição humana, também feminina.

Mas nos dias de hoje, no mês da mulher, queremos esquecer as sombras para apenas focalizarmos o momento de luz que toda mulher representa. Por isso que hoje devemos saudar as mulheres e abraçá-las para dar e receber toda a energia (axé) que elas carregam.

Busquemos um equilíbrio entre os gêneros. Diferentes, mas juntos. Que nunca mais se prolongue a guerra dos sexos que, infelizmente, ainda perdura.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Leave a Reply

Your email address will not be published.