A situação de violência e vulnerabilidade social do condomínio Sol Nascente, situado em Ceilândia, a 30 quilômetros de Brasília, já é bem conhecida. A localidade há alguns anos foi considerada a maior favela do país, com população de mais de 95 mil habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), passando à frente da comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro.

No entanto, se depender do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), a região vai virar notícia nacional por outros motivos. No dia 16 de dezembro, terá início um mutirão para a construção de casas ecológicas para 109 famílias que antes não tinham onde morar. Os terrenos foram conquistados a partir de uma negociação do MTST com o governo do Distrito Federal, mas ainda faltava a mão-de-obra e toda a logística para tirar o projeto do papel.

O coordenador do MTST/Brasília, Eduardo Borges, explica que a iniciativa é inédita, pois nunca houve no Brasil tantas pessoas mobilizadas para erguer suas próprias moradias. Ele ressalta ainda a importância do cuidado com o meio ambiente durante essa ação. “A ideia é ter fossa ecológica, captação de água das chuvas, energia solar. Contamos com a ajuda de engenheiros e arquitetos voluntários e faremos uma ‘vaquinha’ para a compra de materiais”, afirma.

Para Marcos Ninguém, da Universidade Alternativa de Permacultura (UniPermacultura), o mutirão tem tudo para se tornar uma referência na implantação de tecnologias sustentáveis. Ele foi chamado para prestar consultoria no trabalho junto às famílias e alertou para a necessidade de planejamento adequado antes da execução da obra. “Esse é um momento histórico. Se não pensarmos no design desse acampamento, corremos o risco de haver um processo de ‘favelização’ e não conseguirmos a qualidade de vida que as pessoas sonham”, destaca.

Os lotes possuem 22 metros de comprimento por 6 metros de largura e todas as casas serão construídas coletivamente, padronizadas em uma planta de 65 m2. A ecovila contará com biblioteca comunitária, playground e paisagismo, de forma a acolher os novos habitantes de maneira confortável, gerando o menor impacto possível à natureza.

Quem está organizando? 

MTST, UniPermacultura, Fazenda Bella Agroecologia e Setorial EcoSocialista

Quais técnicas serão utilizadas?

Superadobe, pneu reaproveitado, taipa, reboco, tinta e piso ecológico e Bacias de Evapotranspiração.

Quem estará ensinando?

Professores da UniPermacultura e do MTST

Quando? 

16 a 23 de dezembro

Quanto?

1kg de alimento no local

Como ajudar?

Divulgando, pedindo para amigos divulgar, doando materiais ou recursos, mobilizando e participando na construção.

Para mais informações: contato@unipermacultura.com.br

About The Author

Xapuri

Related Posts

Deixe uma resposta