Universidades: presença de negros e indígenas

Universidades: presença de negros e indígenas cresce mais de 40%

Universidades: presença de negros e indígenas cresce mais de 40%

Por Othávio Oliveira/via Mídia Ninja

Houve um crescimento de 4,3% para 48% na presença de negros e indígenas após a aprovação da lei de cotas étnico-raciais na UnB (Universidade de Brasília). Número é representativo e destaca a importância desta política de inclusão e acesso ao ensino superior.

Em 2003, a UnB, gerou grande debate no país ao implementar pela primeira vez em uma instituição de ensino superior, as cotas étnico-raciais, que tem como objetivo reservar vagas a estudantes negros, pardos e indígenas. Houveram manifestações contrárias e diversas contestações judiciais, até que o STF (Superior Tribunal Federal) reconheceu a constitucionalidade da lei de cotas como política afirmativa.

Segundo o último levantamento feito pela instituição, em 2019, o número de negros e indígenas na universidade cresceu de 4,3% para 48% do total de estudantes, Ou seja, 16 anos depois da implementação de tal política pública na UnB.

Em números mais detalhados, a universidade abriu portas para 3.727 de alunos pretos,15.225 de alunos pardos e 203 Indígenas.

Segundo Jorge Carvalho, professor do departamento de antropologia em entrevista para o portal UOL, hoje em dia, a lei de cotas mostra seu resultado prático nas salas de aula, onde a presença apenas de alunos brancos, não é mais uma realidade: “Já dei aula para turmas em que todos os alunos eram brancos. Isso não existe mais.”

O primeiro vestibular que marcou o início da reserva de cotas na UNB, ocorreu no segundo semestre de 2004, para concorrer a vaga o candidato preenchia uma ficha de inscrição e entregava em um posto de homologação onde era fotografado e a foto, encaminhada para análise de uma banca avaliadora.

A partir do ano de 2008, a UNB adotou a entrevista presencial para minimizar as fraudes. Essa avaliação é conduzida por uma comissão, formada por docentes e servidores.

Segundo o cientista social, Angelo Roger da França Costa, ex-aluno cotista e mestrando da UNB em políticas sociais, a resistência não ficava restrita apenas a conselheiros ou docentes da universidade: “Encontrávamos pichações pedindo morte aos cotistas nos banheiros, havia hostilidade no cotidiano”, disse ele, também, para o UOL.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Mesmo nos dias de hoje, com todas as dificuldades enfrentadas para a afirmação da política de cotas, e a necessidade constante de discussão nas universidades e sociedade, hoje todos enxergam não somente os ganhos que a UNB teve, mas como toda sociedade brasileira também.

 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!