“Bela, avançada e do bar”! Então, venha ver quem é, venha ver quem é! A deliciosamente ácida senhora Teffé!

 

Nair de Teffé nasceu como no ditado: em berço de ouro. Filha de Antônio Luís Von Hoonholtz, o Barão de Teffé, e Maria Luísa Dodsworth. Teve sorte e inúmeras oportunidades com uma infância rica, financeiramente e culturalmente. Seu pai, como diplomata, viajou o mundo, e Nair, ainda menina, esmerilou pelos melhores lugares, de escolas a festinhas: requintados espaços da elite europeia. De nascimento era carioca, de Petrópolis, e estreou na vida no dia 10 de junho de 1886.

Segue, bebezinha, para ser criada finamente em Paris e Nice. Nairzinha só retorna ao Brasil, em 1905. Tinha 19 anos e retornava com a cabeça cheia de novidades, influenciada pela Belle Époque. A mocinha falante e inteligente tinha um jeitinho danado de bom para o desenho e, dizem, conseguia capturar bem o caráter das pessoas e o prender no papel. Logo começou a fazer suas famosas caricaturas e a trabalhar para as revistas e periódicos da época.

Mas a moça vinha de Paris… moderna, Très chic, adorava um bar, um bom drinque e tinha sempre entre os dedos ou o lápis ou uma elegante cigarrilha. Seu bar preferido era o do Jeremias, lugar bem frequentado por “gente fina”, e a bela causava um verdadeiro frisón por onde andava. Esses novos costumes vindos do Velho Mundo causavam também fofocas, invejas e disse-me-disses.

Nair de Teffé é considerada a primeira mulher cartunista do mundo e adorava brincar com os figurões e figurinhas da sociedade. Driblando o machismo, inicialmente assinava suas caricaturas como Rian, que era o seu nome Nair espelhado, de trás para frente. E brincava com a sonoridade semelhante de Rian com rien, que significa em francês: nada. Mas havia muito em Nair: em suas caricaturas a revelação de sutilezas despercebidas, havia um tanto de ironia e um monte de inteligência desafiadora.

Como haveria de ser, não lhe faltavam pretendentes e nem bons partidos e foi batata: apareceu em sua vida o presidente da República Marechal Hermes da Fonseca. Bom para ela que estava acostumada com corte e luxo. Ruim para as gentes em geral que perderam a cartunista, já que as duas funções não combinavam. Ser primeira-dama da nação, tendo por marido um homem insosso, exigia-lhe muito.

Casou-se com o Marechal, viúvo, em 08 de dezembro de 1913. Ela tinha 27, ele 57. Na cerimônia, em sinal de total repúdio a nítida ausência de seus filhos: nenhum apareceu por lá.

Entretanto, a moça era acostumada aos chiliques parisienses e não se deixou abater. Casou-se e foi impondo seu espírito ousado e transgressor. Inovava com sua alegria, dava ares modernos aos salões, levou para o Palácio do Catete o maxixe de Chiquinha Gonzaga, ela mesma tocava ao violão, e o falatório fervia pelos ambientes. Onde já se viu moça bem-educada cantar esse tipo de música e ainda tocar violão, instrumento de boêmios e sem reputação? Fosse pelo menos um piano, de cauda, é claro!

A estonteante Nair foi a responsável por introduzir o uso de calças compridas ao guarda-roupa das mulheres brasileiras. Um salto rumo ao empoderamento feminino: mulher também poderia montar a cavalo como um homem. O machismo não poderia deixar passar em branco um barulho desse, e a moça atraiu para si a ira de Rui Barbosa que, no Senado, desabafa em 7 de novembro de1914:

Uma das folhas de ontem estampou em fac-símile o programa de recepção presidencial em que, diante do corpo diplomático, da mais fina sociedade do Rio de Janeiro, aqueles que deviam dar ao país o exemplo das maneiras mais distintas e dos costumes mais reservados elevaram o “Corta-jaca” à altura de uma instituição social. Mas o “Corta-jaca” de que eu ouvira falar há muito tempo, o que vem a ser ele, sr. Presidente? A mais baixa, a mais chula, a mais grosseira de todas as danças selvagens, a irmã gêmea do batuque, do cateretê e do samba. Mas nas recepções presidenciais o “Corta-jaca” é executado com todas as honras da música de Wagner, e não se quer que a consciência deste país se revolte, que as nossas faces se enrubesçam e que a mocidade se ria!”

A bela Nairzinha não se abate e se segura no posto até o fim do mandato do Marechato. Cansada do preconceito estampado, inclusive na Tribuna do Senado, a bela foi descansar na Europa e retornou a tempo de participar da Semana de Arte Moderna de 1922.

Em 1928, volta a morar em Petrópolis e seu ativismo se dirige às letras e artes. Foi eleita presidenta da Academia de Ciências e Letras e posteriormente funda a Academia Petropolitana de Letras. Também foi presidenta da Academia Fluminense de Letras e fundou o Cinema Rian – um dos mais bem-conceituados cinemas do Rio de Janeiro, que resistiu até 1983. Mudou-se para Pendotiba, Niterói, e ali realizou seu desejo maternal, adotando três crianças: Carmen Lúcia, Tânia e Paulo Roberto.

Nair de Teffé voltou a desenhar aos 70 anos e aos 95 anos, no dia de seu aniversário, partiu, encantou-se – como diz muito bem o Rosa.

Essa maravilhosa pessoa nos deixou imenso legado de viver plenamente, enfrentar críticas, sobreviver de cabeça erguida às crises financeiras e recomeçar. Para ela está reservado um lugar especial entre as Grandes Mulheres da História.

Salve Nair de Teffé!

Iêda Vilas-Bôas – Escritora. Presidenta da Academia de Letras do Nordeste Goiano – ALANEG.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.