Soledad Barret Viedma: Combatente assassinada pela Ditadura 

Se o Bem não existe, é preciso inventá-lo” – Rafael Barret, avô de Soledad.

Por Zezé Weiss

Soledad Barret Viedma tombou crivada de balas numa emboscada da ditadura militar, num sítio de nome São Bento, nas cercanias da cidade do Recife, no dia 7 de janeiro de 1973. Grávida, Soledad carregava no ventre o filho de José Anselmo dos Santos, conhecido por Cabo Anselmo, o traidor que a entregou para os agentes da repressão.

Em Os Filhos dos Dias, Eduardo Galeano relata a brutalidade da traição: “O Cabo Anselmo, marinheiro insurgente, [que se fazia passar por] chefe revolucionário, foi quem a entregou. Cansado de ser perdedor, arrependido de tudo o que acreditava e gostava, ele delatou, um por um, seus companheiros de luta contra a ditadura militar brasileira, e os despachou para o suplício ou para o matadouro. Soledad, que era sua mulher, ele deixou para o fim. O Cabo Anselmo apontou o lugar onde ela estava e foi-se embora. Já estava no aeroporto quando ouviram-se os primeiros tiros.”

Junto com Soledad, que trabalhava como vendedora de roupas para as butiques chiques do bairro de Boa Viagem, no “Massacre de São Bento” também foram executados Eudaldo Gomes da Silva, Evaldo Luiz Ferreira de Souza, José Manoel da Silva, Pauline Reichstul e Jarbas Pereira Marques, todos militantes da Vanguarda Popular Revolucionária, a VPR.

Neta do escritor paraguaio Rafael Barret, que passou a maior parte da vida na cadeia e morreu no exílio, em 1910, na Espanha, aos 34 anos de idade, seguindo os passos do avô revolucionário, Soledad começou sua militância ainda muito jovem, na Argentina e no Uruguai.  Aos 17 anos, em Montevidéu, foi sequestrada e marcada a navalha por se recusar a gritar “Hi Hitler!”.  A Soledad não sobrou outra opção: teve que partir para o exílio, em Cuba, de onde veio para o Brasil, casada com José Ferreira de Araújo, marinheiro, militante da VPR e pai de sua única filha, Ñasaindy, nascida em Cuba, para a militância no Brasil, em 1970.

Os versos do poeta Mario Benedetti, no poema Muerte de Soledad Barret, dão conta da trajetória e da morte da guerrilheira, que caiu resistindo:

Viviste aquí por meses o por años
Trazaste aquí una recta de melancolía
Que atravesó las vidas y las calles

Hace diez años tu adolescencia fue noticia
Te tajearon los muslos porque no quisiste
Gritar viva Hitler ni abajo Fidel

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:

Eran otros tiempos y otros escuadrones
Pero aquellos tatuajes llenaron ele asombro
A cierto Uruguay que vivía en la luna

Y claro entonces no podías saber
Que de algún modo eras
La prehistoria de Ibero

Ahora acribillaron en recife
Tus veintisiete años
De amor templado y pena clandestina

Quizá nunca se sepa cómo ni por qué

Los cables dicen que te resististe
Y no habrá más remedio que creerlo
Porque lo cierto es que te resistías
Con sólo colocárteles en frente
Sólo mirarlos
Sólo sonreír
Sólo cantar cielitos cara al cielo

Con tu imagen segura
Con tu pinta muchacha
Pudiste ser modelo
Actriz
Miss Paraguay
Carátula
Almanaque
Quién sabe cuántas cosas

Pero el abuelo Rafael el viejo anarco
Te tironeaba fuertemente la sangre
Y vos sentías callada esos tirones

Soledad no viviste en soledad
Por eso tu vida no se borra
Simplemente se colma de señales

Soledad no moriste en soledad
Por eso tu muerte no se llora
Simplemente la izamos en el aire

Desde ahora la nostalgia será
Un viento fiel que hará flamear tu muerte
Para que así aparezcan ejemplares y nítido
Las franjas de tu vida

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:

Ignoro si estarías
De minifalda o quizá de vaqueros
Cuando la ráfaga de pernambuco
Acabó con tus sueños completos

Por lo menos no habrá sido fácil
Cerrar tus grandes ojos claros
Tus ojos donde la mejor violencia
Se permitía razonables treguas
Para volverse increíble bondad

Y aunque por fin los hayan clausurado
Es probable que aún sigas mirando
Soledad compatriota de tres o cuatro pueblos
El limpio futuro por el que vivías
Y por el que nunca te negaste a morir.

Escrito no calor da hora, logo depois da notícia do assassinato de Soledad, recebida por telegrama, em sua bela homenagem o poeta não alcançou traduzir a crueldade do duro massacre que estraçalhou, com rajadas de metralhadora, o corpo de Soledad, “cujos olhos foram encontrados muito abertos, com uma expressão muito grande de terror”, conforme relato da advogada Mércia Albuquerque, registrado no artigo “Soledad Barret em sua última hora”, publicado no Portal Vermelho pelo escritor Urariano Mota, autor do livro Soledad no Recife (2009).

O que mais me impressionou foi o sangue coagulado em grande quantidade. Eu tenho a impressão de que ela foi morta e ficou deitada, e a trouxeram depois, e o sangue, quando coagulou, ficou preso nas pernas, porque era uma quantidade grande. O feto estava lá nos pés dela. Não posso saber como foi parar ali, ou se foi ali mesmo no necrotério que ele caiu, que ele nasceu, naquele horror.

Segundo o livro Luta: substantivo feminino, Soledad não morreu durante a chacina, mas sob tortura nos porões da ditadura. Seu cadáver, que apresentava marcas de algemas e equimoses espalhadas pelo corpo, desapareceu e nunca foi encontrado.

Soledade Barret Viedma foi anistiada 42 anos depois de sua morte, em 11 de dezembro de 2015, quando completaria 70 anos de idade, em homenagem post mortem estendida a sua filha, Ñasaindy Barret de Araújo, a quem o presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão, fez formalmente o Pedido de Desculpas do Estado brasileiro.

Zezé Weiss – Jornalista Socioambiental


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book Carlos Marighella Comunista e Poeta de Todas as Horas

Carlos Marighella: Comunista e poeta de todas as horas, reúne textos, poemas e fotos de Carlos Marighella sobre as prisões que sofreu por motivação política nos anos de 1932, 1936, 1939 e 1964. São textos de Marighella denunciando arbitrariedades, torturas e violações aos direitos humanos e responsabilizando os regimes políticos que as produziram, particularmente, a ditadura de Getúlio Vargas nos anos 1930 e 1940 e a ditadura militar instalada com o golpe de 1º de abril de 1964.

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:

COMPRE AQUI

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:
[instagram-feed] [instagram-feed]