A ideologia da cidade de Attílio – 

O dia 27 de agosto de 1943 reuniu o urbanismo e a música popular brasileira (MPB) numa tragédia aérea ocorrida no aeroporto Santos Dummont do Rio de Janeiro. Após infeliz tentativa de pouso por parte do piloto, o avião da VASP (Viação Aérea de São Paulo) atinge o teto da escola naval adjacente à pista de pouso e se espatifa.

Morrem o jornalista Cásper Líbero e o arcebispo de São Paulo Dom José Gaspar d’Afonseca e Silva, mas também o jovem arquiteto urbanista Attílio Corrêa Lima, autor do Plano Urbanístico de Goiânia (PUG).

A MPB entrou nessa história momentos antes, ainda no balcão da VASP do aeroporto de Congonhas, quando Attílio intentava um lugar no fatídico voo. Ao antecipar seu retorno para o Rio de Janeiro, Attílio resolveu não o fazer de trem e aguardava ali a desistência de algum passageiro. Conseguiu, pois Ary Barroso desistira da viagem e a vaga se abriu para Attílio, 42 anos – perdeu o urbanismo brasileiro, ganhou a MPB – coisas da vida!

Curiosidades à parte, a história de Attílio é cheia de passagens e surpresas importantes, afinal foi o primeiro urbanista brasileiro formado na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro a estudar no Instituto de Urbanismo da Universidade de Paris sob forte influência positivista, mas vinculado à corrente inovadora presente na arquitetura moderna que surgia na Europa.

Muito pesquisado no ambiente acadêmico e bastante concorrido em razão de suas obras executadas em Volta Redonda, Niteroi e Recife, nenhum dos pesquisadores identificou em seus traçados o que vislumbrei no PUG: a forte conotação ideológica de esquerda presente na mobilidade urbana proposta para a nova cidade.

Nesse aspecto vale observar que, desde sua concepção até à atualidade, o traçado de Attílio se apresenta mais que uma representação desenhada a conectar as atividades citadinas à vigorosa monumentalidade erigida do projeto de fundação da nova capital.

O traçado do PUG é mais esplendoroso que isso, pois interfere em dimensões ideológicas que tocam a escala humana, aqui representada pelo rotineiro movimento pendular de seus habitantes: o ato de caminhar entre residência-trabalho-residência.

Sim, o traçado de Attílio reforça a componente ideológica que explica a produção do espaço como elemento transformador da relação homem-natureza, essência geográfica suportada nas relações de produção capitalistas. E não há outro elemento motriz que não o ato de caminhar, reunir, mobilizar para materializá-lo.

Se observarmos o zoneamento da nova paisagem do sertão brasileiro proposta e executada por Attílio, verificamos que ele estimula o movimento cívico constantemente. Mesmo que não desejasse, a expressão nele contida designa motivação mobilizadora de pessoas na medida em que nega a alienação do trabalho no espaço construído.

No traçado de Attílio as forças produtivas estão rigorosamente assentadas de sorte a garantir aos trabalhadores a condição de veio dinâmico na vida política da cidade. Note-se que os espaços de produção (setor industrial) e de serviço e consumo (centro comercial) possuem direta e generosa conexão espacial confluente ao centro do poder político (centro administrativo cívico), cuja localização é entornada por setores residenciais urbanos e suburbanos, este predominante.

 

A configuração espacial do PUG remete o jovem urbanista ao pensamento da geografia crítica por meio do qual o espaço deve ser pensado como produto social, fruto das relações sociais de produção.

O espaço produzido a partir dos traços de Attílio possibilita uma cidade mais funcional e militante onde o sujeito seria o protagonista da ação política, onde o sujeito seria o agente espacializador das coisas. Portanto, uma leitura mais marxista e libertária que necessariamente modulada pelo desejo conservador da elite governante da época e seguintes.

Confirmam o vigor ideológico do traçado do PUG os diversos momentos políticos cívicos marcantes da cidade. Aos chamamentos às causas diversas, em poucos instantes as marchas a pé venceram os espaços viários radiais rumo ao centro cívico para se manifestarem (figura 2).

É nesse contexto que está consagrada a urbanidade militante presente no traçado de Attílio, aquela que necessariamente enseja a vitalidade do espaço construído em todos eles. Não se manifesta o protagonismo político sem as pessoas em permanente interação, sem o encontro, sem o sentimento coletivo a lhes movimentar – eis a urbanidade ideologizada, um tipo de espacialidade requerida e permanentemente construída.

ANOTE AÍ:

Antenor Pinheiro – Jornalista.  Comentarista da CBN Goiânia. Membro da Associação Nacional de Transportes Públicos /ANTP.

Anúncios

Comentários

X
%d blogueiros gostam disto:
preloader