De luxo modernista à ocupação precária: a história de mais de meio século do prédio que desabou em São Paulo –

Projetado por Roger Zmerkhol nos anos 60, o edifício Wilton Paes de Almeida era considerado um marco arquitetônico; seu apelido era ‘pele de vidro’ por causa da enorme fachada envidraçada importada.

A torre que pegou fogo e desabou na madrugada desta terça, 1º, no Largo do Paissandu, em São Paulo, era um dos marcos arquitetônicos da cidade e tombada pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

Com 24 andares, além de dois pisos de sobrelojas comerciais, e 11 mil m² de área construída, o Edifício Wilton Paes de Almeida, na rua Antonio de Godoi, foi projetado na década de 1960 para abrigar a sede da empresa Cia. Comercial Vidros do Brasil (CVB).

O prédio era considerado a maior obra do arquiteto Roger Zmekhol (1928-1976). Filho de imigrantes sírios, Zmerkhol, nasceu em Paris e veio para o Brasil ainda criança. Ele era professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo.

Sua característica marcante era a enorme fachada envidraçada, que lhe rendeu o apelido de “pele de vidro”. Um artigo de 1965 da extinta revista de arquitetura Acrópole ressaltava outras características do prédio, como o primeiro da cidade a ter sistema de ar-condicionado central e seu hall de mármore e aço inoxidável.

Para o arquiteto Francesco Perrota-Bosch, o desabamento do Wilton Paes de Almeida também é uma “tragédia arquitetônica”.

“Ele era um ponto fora da curva na arquitetura, era um prédio de vanguarda. Era um projeto com muita influência do minimalismo do Mies van der Rohe (arquiteto alemão) em sua fase americana. Mas a principal referência era o edifício Lever House, de Nova York, do escritório SOM (Skidmore, Owings e Merrill)”, diz ele à BBC. “A fachada de vidro dele marcou uma época, precisou ser importada porque não era feita no Brasil.”

“Normalmente, os prédios ocupados têm janelas pequenas e são fechados, você não vê o que acontece. Ali, não. Justamente por ser envidraçado, era possível ver a ocupação lá dentro. Era um prédio icônico, numa esquina importante do centro da cidade”, diz ele à BBC Brasil.

A arquiteta Nadia Somekh, professora emérita da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Mackenzie e integrante do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, afirma que o desabamento do Wilton Paes de Almeida é uma “perda enorme” para o patrimônio histórico de São Paulo.

“Fora a tragédia como um todo, o prédio era um marco da arquitetura modernista de São Paulo”, diz ela. “É preciso pensar em uma política habitacional mais consistente para a cidade e que preserve o nosso patrimônio histórico. É simbólico que este edifício venha abaixo justo no 1º de maio, com essa desvalorização do trabalho no país.”

Uma reportagem da Folha de S. Paulo de janeiro de 2017 dizia que o Edifício Wilton Paes de Almeida foi a leilão em 2015, no valor de R$ 21,5 milhões, mas não houve interessados.

O local abrigou durante 23 anos a sede da Polícia Federal em São Paulo e, até 2009, uma agência do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Ainda de acordo com a Folha, em 2012, a Secretaria de Patrimônio da União cedeu o prédio para a Unifesp, que instalaria ali o Instituto de Ciências Jurídicas. Mas o projeto não vingou, assim como outro que pretendia transformar o local em um polo cultural em parceria com o Sesc (Serviço Social do Comércio).

Igreja luterana destruída

Ao lado do edifício funcionava uma centenária igreja luterana, a Martin Luther, que também era tombada.

O pastor Frederico Ludwig, 61, há 20 anos à frente da igreja fundada por imigrantes alemães, diz que ela ficou 80% destruída. “Sobrou praticamente só o altar e a torre”, afirma ele à BBC Brasil.

Ludwig conta que a igreja havia sido reformada recentemente, em obra com custo total de R$ 1,3 milhão.

“O prédio estava inclinado havia pelo menos 20 anos, quase um metro pra frente. A gente chamou as autoridades várias vezes e não deu em nada. Agora estamos assim, vamos recolher os escombros. As pessoas da ocupação eram pessoas boas – claro que tem um ou outro que não, mas a maioria era. Nós fazemos trabalho com pessoas em situação de rua e eles vinham à igreja”, diz o pastor. “Não questionamos a invasão, mas as condições em que as pessoas viviam. Tinha esgoto a céu aberto e no verão era enxame de mosquito.”

Do glamour à degradação

Em 2015, o repórter da BBC Brasil Felipe Souza esteve no Wilton Paes de Almeida para fazer uma reportagem para a Folha de S. Paulo. Em seu relato, ficam registrados recados na parede, um entra e sai constante de pessoas e, apesar de um segurança na porta, nenhuma dificuldade para entrar e circular pelo edifício.

“Na época, subi os 24 andares do prédio sem ser identificado, como se tivesse interessado em morar no local.”

Ele conta que o cartaz mais evidente na entrada listava uma série de regras de convivência, como a proibição do uso de bebidas alcoólicas e drogas dentro do prédio. Naquele ano, cada morador pagava entre R$ 150 a R$ 200 por mês para morar na ocupação. Os líderes do movimento diziam que a taxa servia para fazer a manutenção e limpeza do prédio. Os valores mais recentes ficavam em torno de R$ 400.

“Apesar da taxa, todos os andares eram ocupados por lixo produzido pelos moradores e entulho deixado durante a desocupação da Previdência. Era possível encontrar roupas, preservativos, seringas, embalagens plásticas e muitos móveis amontoados pelos andares. Havia vazamentos nas tubulações de água e as paredes e janelas tinham pichações.”

Cada piso era habitado por mais de dez famílias e tinha uma rotatividade muito alta, segundo o repórter. “As pessoas não pagam ou fazem muita bagunça e a gente pede para que elas saiam”, disse a ele uma das administradoras do local naquele ano.

“Ainda assim, a maior parte dos banheiros estava alagada e com as paredes completamente mofadas. Ratos, baratas e aranhas eram vistos com frequência. A fiação, assim como em todo o prédio era exposta devido às ligações clandestinas feitas pelos moradores”, conta Souza. Segundo os moradores contaram ao jornalista, a energia era desviada de semáforos da região. Havia tantos moradores que alguns aproveitavam para oferecer serviços, como cabeleireiros, manicure e venda de geladinho.

Entre os moradores, também havia taxistas, vendedores, garotas de programa e motoboys. Ao serem questionados, eles contavam diferentes motivos para morar na ocupação, como a proximidade com o trabalho e alternativa a morar nas ruas. Mas era unânime o relato de que nenhum deles tinha condições de pagar um aluguel.

 

Foto: Blog do Mariano

Anúncios

Comentários

X
%d blogueiros gostam disto:
preloader