“Lava jato” e Executivo são irmãos siameses no projeto de poder

Por  Antônio Carlos de Almeida Castro – Kakay

O Delta estava meio sumido, acuado. Desculpe chamar assim, mas “Delta” é como o subprocurador Aras o chamou para alertar que o que ele fazia era ilegal, era crime, mas ele desprezou, pois afinal era o subchefe da poderosa “lava jato”. Convenhamos que, depois que o chefe da “lava jato”, o candidato Sergio Moro, saiu, o Delta ficou meio perdido. Também são muitos os escândalos, os questionamentos e as investigações que os membros da operação estão sofrendo.

E, até mesmo, isto é o mais grave, imagino, os valorosos companheiros da imprensa, que tanto fizeram, agora chegam —  que absurdo — a fazer questionamentos. É, Deltan, você deveria ler Augusto dos Anjos:
“Acostuma-te à lama que te espera!
…..
O beijo, amigo, é a véspera do escarro
A mão que afaga é a mesma que apedreja”.

Mas nada como a certeza de que o CNMP é um órgão pronto a acolher e proteger os procuradores. Pouco importa a quantidade de queixas apresentadas. Em 2 de março, a imprensa falava em 17 queixas contra o Delta. Mas devemos nos lembrar do grito de júbilo do Delta, com os seus: “Aha, uhu, o Fachin é nosso!”

Se no caso do ministro Fachin podia ser só bazófia de um irresponsável, no caso do CNMP é uma realidade: “AHA  UHU O CNMP É MEU!!!”

A maneira atrevida e até insolente com que o subchefe da força tarefa, o Delta, trata o presidente do Supremo, ao questionar hoje uma decisão do ministro Toffoli, demonstra o poder que esse grupo ainda julga ter. Nada como confrontar esse grupo com os abusos que eles patrocinaram. Foram nestes abusos que eles forjaram essa prepotência argumentativa.

O projeto de poder desse grupo passa por afrontar o Supremo, o Legislativo. O Executivo não, pois o atual Executivo é cria dos abusos deste grupo. Este Executivo autoritário foi gestado nos abusos da operação “lava jato”. São irmãos siameses. Estão momentaneamente em crise, criador e criatura, mas é só uma briga de poder.

Volto a poesia, Pessoa na pessoa de Pessoa: “Arre, estou farto de semideuses! Onde é que há gente no mundo”.

Vamos colocar esse grupo em seu devido lugar, em nome de um estado de direito que se pretende democrático. Com a palavra o CNMP.

Fonte: Consultor Jurídico

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: