Do 247– Os advogados Cristiano Zanin Martins e Roberto Batochio, visitaram seu cliente, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na manhã desta terça-feira (11) em Curitiba. À saída, disseram que Lula está impactado com o grau de “promiscuidade” das relações entre o ex-juiz Sérgio Moro e os promotores da Lava Jato.

“Moro atuou como um coordenador da acusação e depois proferiu um veredito em cima de uma acusação que ele próprio ajudou a construir”, disse Zanin. Segundo Batochio, Lula saudou as revelações das reportagens do Inercept publicadas no último domingo (9) dizendo que “a verdade fica doente, mas não morre nunca”.

Zanin reafirmou o que a defesa de Lula tem apontado há anos e disse que os fatos divulgados agora “reforçam que Lula não teve direito a um julgamento imparcial e independente”.

“Vamos (os fatos) reforçar a nulidade do processo e a inocência do ex-presidente Lula. Absoluta falta de equidistância das partes. A acusação foi tratada de uma forma diferente da defesa. Há claramente uma coordenação em relação ao trabalho da acusação, o que afronta a nossa Constituição”, disse. “Temos a expectativa de que o STF julgue os Habeas Corpus já pendentes, inclusive a falta de imparcialidade do juiz Sérgio Moro em relação ao ex-presidente Lula. Esperamos que esses fatos novos possam sensibilizar e mostrar ao Judiciário que Lula não teve direito a um julgamento justo, imparcial e independente”, complementou.

Batochio destacou o “grau de promiscuidade entre quem julga e quem acusa num mesmo processo”. “Desnatura o princípio da imparcialidade do juiz. A Constituição estabelece condições para validar um processo criminal, que são o Devido Processo Legal. Segundo a Constituição, nenhum julgamento é válido na esfera criminal se o juiz não for imparcial”.

Um das reportagens do site apontou para uma tentativa de Moro em fazer uma interferência no trabalho de procuradores. “Moro sugeriu trocar a ordem de fases da Lava Jato, cobrou novas operações, deu conselhos e pistas e antecipou ao menos uma decisão, mostram conversas privadas ao longo de dois anos”, destaca a matéria.

Em outra matéria, o procurador Deltan Dallagnol duvidava da existência de provas contra Lula no processo do triplex em Guarujá (SP).

“No dia 9 de setembro de 2016, precisamente às 21h36 daquela sexta-feira, Deltan Dallagnol enviou uma mensagem a um grupo batizado de Incendiários ROJ, formado pelos procuradores que trabalhavam no caso’. Ele digitou: ‘Falarão que estamos acusando com base em notícia de jornal e indícios frágeis… então é um item que é bom que esteja bem amarrado. Fora esse item, até agora tenho receio da ligação entre Petrobras e o enriquecimento, e depois que me falaram to com receio da história do apto… São pontos em que temos que ter as respostas ajustadas e na ponta da língua'”, diz o site.

Assista à entrevistas dos advogados.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.