Por Marconi Burum

O que mesmo esperar de uma

[ República dessas?

Temos um Promotor criminoso,

Não passa de um justiceiro meticuloso.

Ardiloso político que afunda o País

Apenas para tirar o adversário de um pré-poder.

 

Querer ter esperança com essa Instituição?!

 

Presunção desse tal Dallagnol:

Se fez bomba,

Mas não saiu do paiol.

E acendeu um pavio,

Ninguém viu,

Hoje vê que o Brasil

Derreteu seu Estado de Direito,

Ficando estreito tal

Que pouco pode ser feito

[ para nos salvar.

 

Lawfare é o Direito usado

[ como arma de guerra.

Destruir quem não gosto usando a Justiça

É a não-justiça,

O lugar do não-direito,

O não-lugar…

 

Ministério Público é isso?

O viço

Do Janot,

O Procurador-Mor da República

Que assumiu que assassinaria um ministro,

Um rato,

É verdade,

Insisto,

Mas não justifica a maldade

De quem deveria proteger todos nós.

 

Qual civilização

É tão bárbara,

Tão selvagem

Quanto a nossa?

 

É a ausência mínima de regra

De conduta

De liberdade

De fraternidade

De igualdade

De sobriedade.

Enlouquecemos enquanto nação.

Não há prescrição!

Estamos doentes,

Dementes

E mais indecentes!

 

Mesmo no mundo animal

Existe algum pudor estético,

O ético ponderável dos bichos

Na cadeia alimentar adversária.

Janot matar Gilmar,

Parece sim um favor ao Brasil,

Mas é o não-favor,

Pois estamos de volta às cavernas

Escuras e frias do não-lugar…

E famintos!

 

Hora de pensar:

Zoológico republicano.

Ilógico e insano.

Estes que são apenas dois

De um quase todo Poder Judiciário

Saído do armário

Para matar a civilização tardia,

Ardia o efeito,

Agora troglodita de Direito.

 

Instituições fortes,

Sempre ouvi.

Democracia consolidada,

Sempre lutamos.

Porém, se os donos da República

São bichos que se digladiam

[ sem Lei,

Não sei se vadiam aqui,

Fingindo que são civilizados,

Ou se deveriam ser enjaulados

No zoológico republicano.

Puritanos!

 

Puritanos de uma figa!

O atual Ministério Público do Brasil

Não é uma instituição amiga

Que cuide do Direito Coletivo.

Não passam de um ativo

[ bárbaro,

Uma casta gasta e falha

De vaidosos endinheirados,

Patrocinados com nossos impostos

E nossa cognição entorpecida
Que teima endeusar heróis de palha!

 

Oportuno é comprar pesticida.

(Não! Ainda podemos ser humanos.)

Mas como as práticas de Dallagnol,

Ou a libido mortífera de Janot,

Ao menos espantar para o esgoto

[ da História,

Esses arrogantes escrotos,

Déspotas dos piores,

Que no broto do arroto,

Se acham humanos…

[ melhores!

………………….

Nota 1: Fiz questão de produzir essa crônica em forma de poesia. A poesia tem algum poder de transladar a alma. Mais que apenas a razão metafísica, precisamos atingir nossa alma numa dialética simpática e termos rever nossa condição de humanos – e civilizados!

Nota 2: A licença poética me autorizou “generalizar” quase todo o Ministério Público. Não! Não são desumanos quase todos os membros do Ministério Público. Aliás, a maioria é gente do bem. Porém,  MUDOS. Sim! São mudos, pois vêm as atrocidades de seus colegas MAIS PODEROSOS praticam e nada fazem ou falam para inibir o retrocesso que estes causam ao País e ao Estado de Direito.

…………

Marconi Moura de Lima Burum

Professor, escritor. Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB) e Pós-graduado em Direito Público pela Faculdade de Direito Prof. Damásio de Jesus. Foi Secretário de Educação e Cultura em Cidade Ocidental. Leciona no curso de Agroecologia na Universidade Estadual de Goiás (UEG), e teima discutir questões de um novo arranjo civilizatório brasileiro.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: