Zina Aita: a quase invisivel participante da Semana de Arte Moderna de 1922

Comemoramos recentemente o primeiro centenário da Semana de Arte Moderna, que ocorreu nos dias 13 a 17 de fevereiro de 1922. Ao analisarmos registros fotográficos do evento, inicialmente nos vem à cabeça uma importante pergunta: Mulheres não foram convidadas? Mulheres não seriam suficientemente modernas para alcançar o imenso rol de homens que estavam à frente do movimento cultural e artístico? 

Por Iêda Vilas-Bôas

Inicialmente o movimento foi batizado de Semana Futurista e, depois se adequou o nome para Semana de Arte Moderna, as atividades levantaram uma nova concepção sobre a arte no Brasil, fizeram sucesso no Theatro Municipal de São Paulo artistas como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Heitor Villa-Lobos e Di Cavalcanti. Tornou-se marco e símbolo da proposta de modernização da arte brasileira, um dos mais influentes movimentos artísticos do país.

Voltemos, pois, para ambas as perguntas do primeiro parágrafo: a resposta é um sonoro Não. Até na Semana futurista de Arte Moderna o patriarcalismo deixou seu ranço com pigarros e cusparadas de um passado nem tão distante. Infelizmente, somente três mulheres participaram da tão importante semana, foram elas: Tarsila do Amaral (a quem já dediquei minha escrita), Anitta Malfatti e, até então, a desconhecida de muitos: Zina Aita.

Quem foi Zina Aita? Exímia pintora que nasceu Belo Horizonte – MG em 1900 e faleceu em Nápoles, Itália – 1967. Era uma jovem talentosa e de criativa expressão naquele ano de 1922. Tereza Aita, de apelido e assinatura artística Zina Aita, ainda adolescente viaja para Florença – Itália, tem a oportunidade de realizar estudos com o artista Galileo Chini (1873–1956) na Accademia di Belle Arti di Firenze (Academia de Belas Artes de Florença).

Permanece na Itália entre 1914 e 1918. De volta ao Brasil, a jovenzinha conecta-se com os modernistas Manuel Bandeira (1886–1968) e Ronald de Carvalho (1893–1935). Aproxima-se também da pintora Anita Malfatti (1889– 1964), de quem se torna amiga.

Conhece o escritor Mário de Andrade (1893–1945) e, por incentivo dessa turma de modernistas, expõe, pela primeira vez, sua arte, em mostra individual na cidade de Belo Horizonte – MG. Assim, antes de 22, em 1920, é considerada a precursora do modernismo em Minas Gerais.

Dessa exposição, foi um pulo para ser convidada a participar da Semana de Arte Moderna, em São Paulo. A revista Klaxon, antenada aos novos tempos e aos artistas singulares, contratou Zina para algumas publicações que foram de imediato elevadas ao pedestal de obras-primas. Talvez por não figurar amiúde do fechado grupo de artistas paulistas, em sua maioria homens, sua produção permanece pouco conhecida.

Na Semana de Arte Moderna, notou-se o interesse da artista em expor telas usando a técnica decorativa e pintura da figura humana, trazendo sua ligação com o impressionismo.  Apresentou oito obras na Semana de Arte Moderna de 1922, sendo que Zina expôs três relevantes obras decorativas (A pintura decorativa é uma categoria ampla que engloba várias técnicas e meios de pintura aplicados a uma variedade de superfícies) na Semana: a de nº 47, Paisagem Decorativa, a de nº 48, Máscaras Siamesas e a de nº 51, Painel Decorativo.

Interessante saber que Zina Aita raramente dava títulos ou datava suas telas, talvez a opção de não assinar, datar ou colocar títulos em sua obra expressasse a personalidade sutil da pintora. Há os que disseram e dizem que Zina Aita como expositora de 1922 foi a que mais agradou ao público.

Segundo alguns estudiosos, sua pintura nesse período aproxima-se do movimento Art Nouveau e do pós-impressionismo.

Firme e confiante, mesmo com pouco prestígio, segue Zina Aita realizando mostras individuais. Em 1923, participa do 1º Salão da Primavera, no Rio de Janeiro. Em 1924, muda-se para a Itália, fixa residência em Nápoles e, ali, passa a dirigir e administrar uma fábrica de cerâmica, tornando-se reconhecida ceramista naquele país.

Retorna ao Brasil em 1990, expondo no Museu de Arte da Pampulha – MAP a mostra Jeanne Milde, Zina Aita: 90 Anos. Mademoiselle Milde foi uma escultora modernista belga, que morou no Brasil e organizou a exposição.

Zina Aita trouxe e foi admirada pela cena de sua obra: Trabalhadores calçando uma rua, feita com o uso da Técnica Divisionista. O divisionismo também designado por cromoluminarismo é uma teoria ou um estilo de pintura neoimpressionista, que separa as cores em pequenos pontos ou pinceladas de cor pura.

A aplicação destes pontos na tela leva o observador a misturar visualmente as cores e, assim, “construir” a pintura, segundo seu próprio manancial de referências artísticas.

 Outra tela que chamou a atenção de todos foi Homens Trabalhando [A Sombra]. Também é identificada no acervo exposto em 1922 uma aquarela com um Nu Feminino, que revelava seu talento de desenhista e sua afinidade com a produção de Degas (1834–1917), um pintor, gravurista, escultor e fotógrafo francês, conhecido sobretudo pela sua visão particular do mundo do balé, sabendo captar as mais belas poses e sutis cenários da secular dança.

A pintora traz também em seus traços influência da obra de Gustav Klint, pintor austríaco renomado que se associava ao simbolismo, destacou-se dentro do movimento Art Nouveau e foi um dos fundadores do movimento que recusava a tradição acadêmica nas artes. 

Saudamos essa brilhante pintora e desejamos que, nos próximos eventos e movimentos, a presença feminina tenha maior destaque, em telas, em poesia e em destacada presença.

Salve Zina Aita!

Iêda Vilas-Bôas – Escritora. Conselheira da Revista Xapuri.

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

[instagram-feed]